sábado, 12 de fevereiro de 2011

Derby entre o UPCC e o Miro

Hoje no Pavilhão do UPCC, realizou-se mais um derby entre o União de Chelo e o Miro em futsal para a Divisão de Honra.
A vitória sorriu ao Miro por três bolas a uma, num jogo bem emotivo onde o Miro marcou cedo e soube defender o resultado até ao final.

Crise? Só de valores!

Vale a pena exercer o poder virtual do povo!

Na linha de pensamento do Mauro Carpinteiro, eu diariamente faço o que todos os portugueses deviam fazer, exercer o seu direito de cidadania participativa.
Neste caso em concreto, posso dizer vale a pena, dois dias após sair o meu artigo em vários jornais, os buracos da Estrada estão tapados.
Viva a democracia virtual e ao poder de participação de cidadania do povo.

Recomendo a leitura

Um excelente artigo de opinião de Mauro Carpinteiro.
Tenho a consciência que ao publicar este artigo do Mauro Carpinteiro no meu blogue e ao partilha-lo no Facebook, vai criar muita azia a muita gentinha que não sabe distinguir as verdades das cores politicas, quer a gente seja da mesma cor politica de quem tem a coragem de emitir opinião e dar nome e rosto ao que diz e escreve.
Volto afirmar que é um excelente artigo, uma excelente reflexão.

A Música do MAIOR Viciado do Facebook

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Viva ao Egipto! Viva o povo egípcio!

Parabéns ao povo egípcio pelo seu 25 de Abril. Desejo muitas felicidades em paz e democracia.

مبروك للشعب المصري عن 25 من أبريل. أتمنى الكثير من السعادة في السلام والديمقراطية.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

CARLOS CIDADE REUNIU COM ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA BAIXA DE COIMBRA


Por convite da Direcção da Associação para a Promoção da Baixa de Coimbra, Carlos Cidade, Presidente da Concelhia de Coimbra do PS, acompanhado pelos membros do seu Secretariado, Ana Isabel Janelas, Carlos José Martins e, ainda, João André Coimbra do Amaral, elemento da Comissão Politica Concelhia, e por Carlos Clemente, Presidente da Junta de Freguesia de São Bartolomeu, eleito pelo PS, reuniu com os dirigentes da referida Associação, Armindo Gaspar e Arménio Henriques, no dia 8 de Fevereiro.
A reunião, dividida em duas partes, levou, numa primeira, às preocupações da actividade comercial, nestes tempos de crise que se reflectem particularmente no comércio. Assumindo, Carlos Cidade, o compromisso de fazer chegar as preocupações relacionadas fundamentalmente com aspectos de ordem fiscal, aos deputados da república eleitos pelo círculo de Coimbra.
As outras questões abordadas têm a ver com o abandono a que tem sido votada a baixa de Coimbra, passando pelas questões de segurança, de limpeza, de iluminação, de intervenção no espaço público, da necessidade da continuação das obras do Metro Ligeiro, na zona da baixa e, ainda, pelas questões do “calvário” dos licenciamentos municipais.
Carlos Cidade considerou que a conservação do património e a reabilitação urbana na área central de Coimbra surge como uma das principais opções estratégicas no futuro da cidade, para os socialistas de Coimbra,
“Nós queremos”, afirmou Carlos Cidade, e Coimbra tem que corresponder, que a área central da cidade, conhecida por “baixa”, seja um dos pilares fundamentais da política municipal, como defesa do património, mas, similarmente, como instrumento chave de outras políticas sectoriais, contribuindo, de forma decisiva, para que a área central seja um verdadeiro cartão-de-visita da cidade.
A baixa precisa de uma intervenção pluridisciplinar, afirmou Carlos Cidade, reforçando que, esta é a única forma de evitar a degradação física do espaço, de evitar os riscos para a segurança de pessoas e bens, face ao risco de ruína, o que, infelizmente, não tem acontecido.
Carlos Cidade e o PS têm na sua agenda política, como prioridade, a intervenção específica nesta zona da cidade, de modo contribuir para o seu repovoamento, contrariar o envelhecimento dos residentes, desenvolver condições para afectar atractividade e, por essa via, criar competitividade nestas zonas, actualmente, contendo factores de degradação.
Muitos ainda não despertaram para a importância da reabilitação urbana, de forma planificada, concertada e interdisciplinar, com preocupações verdadeiras de intervir com qualidade. É nosso objectivo crucial, acabar com os actuais espaços cinzentos e criar espaços com vida.
Este será um compromisso histórico do PS, em Coimbra, e de Carlos Cidade!

( Fotografia e texto retirado do perfil de Carlos Cidade no Facebook)

CUIDADO COM ESTA PLANTA!


(Pedido de divulgação recebido por e-mail)

“MEMBROS FAVORES EM CADEIA” - MAIS UM PREMENTE PEDIDO DE AJUDA DOS fUNCIONÁRIOS DA ACIC

“MEMBROS FAVORES EM CADEIA”
Exm.º Senhor, gostaria que junto dos associados da ACIC, Associação Comercial e Industrial de Coimbra, fizessem pressão para ajudar os funcionários da mesma; para começarem a receber os seus ordenados; para poderem ter alguma qualidade de vida. Há já quem tenha o azar de provavelmente ver o seu ordenado penhorado, o que para além de não receber ainda tem que ser falado, em “diz-que-disse”, por não conseguir obrigar-se com os seus compromissos só porque a ACIC deixou de cumprir a sua parte.
Só não se compreende para onde foi e continua a ir tanto dinheiro que entra nesta instituição. O que é certo é que já lá vão alguns meses de incumprimento perante os funcionários e nada se vê. E com tendência para piorar. Continua-se sem ver a luz do dinheiro ao fundo do túnel.
Pedia a quem tem poder para ajudar os funcionários da ACIC. Que os ajude, pois qualquer dia, não tardará, a percentagem do desemprego vai aumentar.

Pode ler mais sobre assunto no Blogue Questões Nacionais.


Na baixa de Coimbra - Namorar com os Anaquim

Concerto dos ANAQUIM — ENTRADA LIVRE


Local: Coimbra, Praça 8 de Maio

Hora: Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011 19:00

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Carta aberta do Bispo de Aveiro à Ministra da Educação



Carta Aberta de António Marcelino, bispo emérito de Aveiro

O problema das escolas privadas gratuitas merece ser reflectido por todo o país. A arbitrariedade do Governo PS que, a meio do ano, denuncia, unilateralmente, um acordo bilateral, mostra, no mínimo, a falta de respeito por quem luta, com seriedade, a favor do que é fundamental na sociedade, a educação escolar. Um dado ilustrativo de que o problema, agora na praça pública, pouco tem a ver com a crise económica, é saber quanto custam ao Estado as escolas estatais e as escolas privadas com contrato de associação com ensino gratuito. Pedi há tempos ao governo que nos dissesse isso mesmo, com dados exactos e verdadeiros. Nada, porque o governo só responde à Assembleia da República. Cidadão não tem que perguntar, apenas que pagar.
De repente, a Ministra da Educação e os seus zelosos colaboradores desatam a dizer que as escolas privadas ficam mais caras ao Estado que as escolas estatais. E aventam números e percentagens para apoiar as suas afirmações. Simplesmente, estes números são vergonhosamente manipuladas, porque os dados apreciados não são os mesmos. Ora vejamos: as escolas privadas, do que recebem do Estado, e só do Estado, pagam ordenados, fazem a manutenção diária, conservam os edifícios, assumem os encargos sociais… Se os alunos vêm de fora do concelho o transporte toca aos pais. A Ministra apenas faz contas ao que é mandado para as escolas estatais e que corresponde a pouco mais que os ordenados. Tudo o resto, e é muitíssimo, não entra nas suas contas Nem os encargos sociais, nem a manutenção e conservação dos edifícios, nem transportes dos alunos, que estes recaem nas autarquias. Mas mais ainda. O Ministério Estado recorre a uma empresa pública, a “Parque Escolar”, a esta paga todos os meses, em relação a muitas escolas, uma renda de ocupação, à média de 2 euros por metro quadrado. Isto quer dizer que o governo socialista, detesta as escolas privadas, mas está privatizando as escolas do Estado, passando-as para empresas públicas, apoiadas por capitais privados, ligados à Banca. Os encargos sociais nada têm a ver com as escolas estatais, porque estas não são empresas que tenham de responder, mensalmente, na parte que diz respeito à entidade patronal. Mais uma verba que não entra nas contas que a Ministra apresenta ao país, mas que é um encargo do Ministério, ou lá de quem quer que seja. A conclusão é óbvia: tudo isto corresponde a um encargo do Estado, muito acima daquele que tem com as escolas privadas, que decidiu para já tornar inviáveis e ir matando, por via de uma criminosa asfixia. Agora Intimidando as mesmas escolas, a ministra ameaça e, pelos seus serviços vem fazendo que algumas, já sem saber o que fazer com este estrangulamento e incapazes de responder a encargos presentes, acabem por aceitar pressionadas, as condições do Ministério, sob a ameaça incrível de ou “assinas ou perdes tudo”. Esta foi sempre a forma de dialogar e de respeitar dos regimes totalitários e dos ditadores.
Edificaram-se, há pouco, escolas onde não havia necessidade delas, como se fossemos um país rico que pode esbanjar o dinheiro do povo, necessário para responder a problemas graves não resolvidos; desrespeitam-se um direito primordial dos pais; despreza-se, um contributo válido e concreto que vem qualificando a educação e o ensino; menosprezam-se experiências avalizadas; deixa-se que, a pretexto da crise económica, que se repitam erros lamentáveis do passado, fazendo assim o jeito aos jacobinos de 2011… Um autêntico desgoverno de um governo acossado pelos disparates cometidos e a virem aí ao de cima, em catadupa. A Ministra da Educação, de cabeça perdida, porque o chefe assim manda, atreve-se a dizer ao país, usando todos os meios, coisas impensáveis, que não diria uma qualquer pessoa sensata, respeitadora das pessoas e das instituições, e conhecedora da realidade. E que diz ela mais? “ Que o Estado não tem que pagar nem luxos, nem privilégios, nem piscinas, nem campos de golfe e de equitação!…” Não sei quantas escolas privadas, com contrato de associação, conhece a senhora ministra com este estendal a significar, como diz, luxos e privilégios.
Procure saber, é o mínimo decente, as escolas onde existem tais equipamentos, quem os fez e os paga, qual seu alcance educativo, se são propostas da escola a favor dos alunos e da família, e não atire pó aos olhos de ninguém, porque já ninguém de juízo suporta tais aleivosias. Isto chama-se demagogia. Sabe como e porque as escolas que quer calar e fechar, procuram fazer sempre mais e melhor pelos alunos, mormente em zonas mais pobres? Não sabe, porque, se soubesse, não dizia o que disse. Pois, faz-se poupando e administrando bem o que, por direito, se recebe, sem sacrificar o essencial; concorrendo a programas de apoio de cá e de fora; promovendo o voluntariado dos pais, dos professores e das comunidades locais; realizando com os pais iniciativas diversas na comunidade circundante. É evidente que as escolas estatais não precisam de fazer nada disto. O Estado patrão paga e, se ele não paga, não há nada para ninguém. Ou, então e não raro, as escolas estatais recorrem ao favor das privadas próximas… A Ministra ainda não percebeu a justa indignação dos mal tratados e dos injustiçados, mormente dos pais, dos alunos, dos professores, porque nunca passou por isso. É pena que quem governa não tenha antes sujado as mãos na vida, nem comido pão amassado em suor e lágrimas. Ou, no poleiro do poder, depressa tenha esquecido a mão que o ajudou e a escola privada que lhe abriu caminho.
Depois, vêm as afirmações usuais que denunciam a pobreza da democracia que aí temos, e são a prova de que é real a opção pela ditadura: o Estado responde a tudo, as escolas privadas são supletivas, os pais se querem luxos, então paguem-nos…” Diálogo, respeito, reconhecimento de trabalho feito e de serviço prestado às comunidades? Mas que é isso? Os alunos interrompem projectos, mudam de professores com o ano em curso, distribuem-se pelas escolas estatais, mesmo que sejam fora do concelho e longe das suas terras? Não há problema. O Estado Social (!) encarrega-se de tudo e, então, paga tudo. Já se viu maior loucura? Não há dúvida que somos ainda mais pobres do que julgamos. Os governantes devem ser modelos de vida, de educação, de respeito pelas pessoas e instituições e pela verdade que devem ao país. Não é isso que se vê hoje em muitos casos, mormente quando não têm razão no que decidem, nem dignidade para reconhecer que a não têm.
Acompanho, de há muito, com atenção e cuidado, os problemas da educação, da escola, da família, do país. Luto por esta causa por fidelidade às pessoas e aos princípios e valores que nos devem nortear e dignificar. Nunca esperei que passados mais de trinta anos de democracia, nos quedassem num patamar, tão pobre e infeliz. Mas não podemos cruzar os braços, nem desistir. A razão não é a da força do poder. A mediocridade beneficia sempre das omissões e das desistências, quando outro mérito não há para poder progredir com verdade e governar com justiça.
( Recebido por mail)

Euclides Dâmaso é o novo procurador-geral distrital

Dâmaso quer “melhores leis”


A tomada de posse de Euclides Dâmaso como procurador-geral distrital de Coimbra ficou ontem marcada por um discurso de incentivo à mudança. "É preciso um Ministério Público mais activo", frisou o procurador-geral da República, Pinto Monteiro, ao adiantar que Euclides Dâmaso reúne "as qualidades essenciais".
Pode ler o resto da noticia clicando no link www.cmjornal.xl.pt

Arte e tradição de fazer enchidos

Na minha família ainda se mantém a tradição, prova disso é a minha filha mais nova na aprendizagem dos enchidos.

A canção 'proibida' de Paco Bandeira

video
Estamos hoje a viver em termos de censura uma situação idêntica à da pior noite negra do regime pidesco, só que os que hoje censuram, ou pedem que se censure, são aqueles que sempre se afirmaram vítimas da censura no anterior regime !
Um pequeno exemplo, esta canção fez parte do repertório que ele cantou no "Natal dos Hospitais", e foi convenientemente censurada quando o programa passou na televisão.
*
Estivemos a almoçar na Herdade do Juncal, perto de Castelo Branco, que pertence a um amigo comum. Estava lá o Paco Bandeira, amigo do dono, e confirmou-nos que a canção é efectivamente dele.

Aliás cantou-nos outras, no mesmo estilo intervencionista e crítico, com a sua voz fantástica, deixando-nos entusiasmados com o facto de o espírito acutilante e crítico, apesar da censura escancarada, que voltou para envergonhar esta país, continuar vivo em Portugal.

Em momentos de crise, só a imaginação é mais importante do que o conhecimento’. (Albert Einstein)

(Recebido por mail)

Jornal Russo "Pravda.ru" escreve 4 páginas sobre Portugal

" Foram tomadas medidas draconianas esta semana em Portugal pelo Governo liberal de José Sócrates, um caso de um outro governo de centro-direita pedindo ao povo Português a fazer sacrifícios, um apelo repetido vezes sem fim a esta nação trabalhadora, sofredora, historicamente deslizando cada vez mais no atoleiro da miséria.
E não é porque eles serem portugueses.
Vá ao Luxemburgo, que lidera todos os indicadores socioeconómicos, e você vai descobrir que doze por cento da população é português, o povo que construiu um império que se estendia por quatro continentes e que controlava o litoral desde Ceuta, na costa atlântica, tornando a costa africana até ao Cabo da Boa Esperança, a costa oriental da África, no Oceano Índico, o Mar Arábico, o Golfo da Pérsia, a costa ocidental da Índia e Sri Lanka. E foi o primeiro povo europeu a chegar ao Japão....e Austrália.
Esta semana, o Primeiro Ministro José Sócrates lançou uma nova onda dos seus pacotes de austeridade, corte de salários e aumento do IVA, mais medidas cosméticas tomadas num clima de política de laboratório por académicos arrogantes e altivos desprovidos de qualquer contacto com o mundo real, um esteio na classe política elitista Português no Partido Social Democrata e Partido Socialista, gangorras de má gestão política que têm assolado o país desde anos 80.
O objectivo? Para reduzir o défice. Por quê?
Porque a União Europeia assim o diz. Mas é só a UE?
Não, não é. O maravilhoso sistema em que a União Europeia deixou-se a ser sugado é aquele em que a agências de Ratings, Fitch, Moody's e Standard and Poor's, baseadas nos estados unidos da América (onde havia de ser?) virtual fisicamente controlam as políticas fiscais, económicas e sociais dos Estados-Membros da União Europeia através da atribuição das notações de crédito.
Com amigos como estes organismos, e Bruxelas, quem precisa de inimigos? Sejamos honestos. A União Europeia é o resultado de um pacto forjado por uma França tremente e com medo, apavorada com a Alemanha depois que suas tropas invadiram seu território três vezes em setenta anos, tomando Paris com facilidade, não só uma vez mas duas vezes, e por uma astuta Alemanha ansiosa para se reinventar após os anos de pesadelo de Hitler. França tem a agricultura, a Alemanha ficou com os mercados para sua indústria.
E Portugal? Olhem para as marcas de automóveis novos conduzidos por motoristas particulares para transportar exércitos de "assessores" (estes parecem ser imunes a cortes de gastos) e adivinhem de qual país
eles vêm? Não, eles não são Peugeot e Citroen ou Renault. Eles são Mercedes e BMWs. Topo-de-gama, é claro.
Os sucessivos governos formados pelos dois principais partidos, PSD (Partido Social Democrata, direita) e PS (Socialista, de centro), têm sistematicamente jogado os interesses de Portugal e dos portugueses pelo esgoto abaixo, destruindo sua agricultura (agricultores portugueses são pagos para não produzir) e sua indústria (desapareceu) e sua pesca (arrastões espanhóis em águas lusas), a troco de quê?
O quê é que as contra-partidas renderam, a não ser a aniquilação total de qualquer possibilidade de criar emprego e riqueza em uma base sustentável?
Aníbal Antóni Cavaco da Silva, agora Presidente, mas primeiro-ministro durante uma década, entre 1985 e 1995, anos em que estavam despejando bilhões através das suas mãos a partir dos fundos estruturais e do desenvolvimento da UE, é um excelente exemplo de um dos melhores políticos de Portugal. Eleito fundamentalmente porque ele éconsiderado "sério" e "honesto" (em terra de cegos, quem vê é rei), como se isso fosse um motivo para eleger um líder (que só em Portugal, é) e como se a maioria dos restantes políticos (PSD/PS) fossem um bando de sanguessugas e parasitas inúteis (que são), ele é o pai do défice público em Portugal e o campeão de gastos públicos.
A sua "política de betão" foi bem concebida, mas como sempre, mal planeada, o resultado de uma inepta, descoordenada e, às vezes inexistente localização no modelo governativo do departamento do Ordenamento do Território, vergado, como habitualmente, a interesses investidos que sugam o país e seu povo.
Uma grande parte dos fundos da UE foram canalizadas para a construção de pontes e auto-estradas para abrir o país a Lisboa, facilitando o transporte interno e fomentando a construção de parques industriais nas cidades do interior para atrair a grande parte da população que assentava no litoral.
O resultado concreto, foi que as pessoas agora tinham os meios para fugirem do interior e chegar ao litoral ainda mais rápido. Os parques industriais nunca ficaram repletos e as indústrias que foram criadas, em muitos casos já fecharam Uma grande percentagem do dinheiro dos contribuintes da UE vaporizou em empresas e esquemas fantasmas. Foram comprados Ferraris. Foram encomendados Lamborghini. Maserati. Foram organizadas caçadas de javali em Espanha. Foram remodeladas casas particulares. O Governo e Aníbal Silva ficou a observar, no seu primeiro mandato, enquanto o dinheiro foi desperdiçado. No seu segundo mandato, Aníbal Silva ficou a observar os membros do seu governo a perderem o controle e a participarem. Então, ele tentou desesperadamente distanciar-se do seu próprio partido político. E ele é um dos melhores.
Depois de Aníbal A. Cavaco da Silva veio o bem-intencionado e humanitário, António Guterres (PS), um excelente Alto Comissário para os Refugiados e um candidato perfeito para Secretário-Geral da ONU, mas um buraco negro em termos de (má) gestão financeira. Ele foi seguido pelo diplomata excelente, mas abominável primeiro-ministro José Barroso (PSD) (agora Presidente da Comissão da EU, "Eu vou ser primeiro-ministro, só que não sei quando") que criou mais problemas com seu discurso do que ele resolveu, passou a batata quente para Pedro Lopes (PSD), que não tinha qualquer hipótese ou capacidade para governar e não viu a armadilha.
Resultando em dois mandatos de José Sócrates; um Ministro do Ambiente competente, que até formou um bom governo de maioria e tentou corajosamente corrigir erros anteriores. Mas foi rapidamente asfixiado por interesses instalados.
Agora, as medidas de austeridade apresentadas por este primeiro-ministro, são o resultado da sua própria inépcia para enfrentar esses interesses, no período que antecedeu a última crise mundial do capitalismo (aquela em que os líderes financeiros do mundo foram buscar três triliões de dólares de um dia para o outro para salvar uma mão cheia de banqueiros irresponsáveis, enquanto nada foi produzido para pagar pensões dignas, programas de saúde ou projectos de educação).
E, assim como seus antecessores, José Sócrates, agora com minoria, demonstra falta de inteligência emocional, permitindo que os seus ministros pratiquem e implementem políticas de laboratório, que obviamente serão contra-producentes. Pravda.Ru entrevistou 100 funcionários, cujos salários vão ser reduzidos. Aqui estão os resultados:
Eles vão cortar o meu salário em 5%, por isso vou trabalhar menos (94%). Eles vão cortar o meu salário em 5%, por isso vou fazer o meu melhor para me aposentar cedo, mudar de emprego ou abandonar o país (5%) Concordo com o sacrifício (1%) Um por cento. Quanto ao aumento dos impostos, a reacção imediata será que a economia encolhe ainda mais enquanto as pessoas começam a fazer reduções simbólicas, que multiplicado pela população de Portugal, 10 milhões, afectará a criação de postos de trabalho, implicando a obrigatoriedade do Estado a intervir e evidentemente enviará a economia para uma segunda (e no caso de Portugal, contínua) recessão. Não é preciso ser cientista de física quântica para perceber isso. O idiota e avançado mental que sonhou com esses esquemas, tem resultados num pedaço de papel, onde eles vão ficar. É verdade, as medidas são um sinal claro para as agências de ratings que o Governo de Portugal está disposto a tomar medidas fortes, mas à custa, como sempre, do povo português. Quanto ao futuro, as pesquisas de opinião providenciam uma previsão de um retorno para o PSD, enquanto os partidos de esquerda (Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português) não conseguem convencer o eleitorado de suas ideias e propostas.
Só em Portugal, a classe elitista dos políticos PSD/PS seria capaz de punir o povo por se atrever a ser independente. Essa classe, enviou os interesses de Portugal no ralo, pediu sacrifícios ao longo de décadas, não produziu nada e continuou a massacrar o povo com mais castigos.
Esses traidores estão levando cada vez mais portugueses a questionarem se deveriam ter sido assimilados há séculos, pela Espanha. Que convidativo, o ditado português "Quem não está bem, que se mude".
Certo, bem longe de Portugal, como todos os que possam, estão fazendo.
Bons estudantes a jorrarem pelas fronteiras fora. Que comentário lamentável para um país maravilhoso, um povo fantástico, e uma classe política abominável."

Timothy Bancroft-Hinc

Mensagem de Telmo Melo

Sinto-me orgulhoso por também dar a cara nesta campanha, esta é a Noticia hoje no "Diário de Coimbra" todos os sábados faremos a distribuição de roupas e brinquedos a uma serie de Instituições do Distrito de Coimbra... como é bom receber aqueles sorrisos que nos dão uma força enorme quando voltamos para casa...!!!
Amigo, também sinto orgulho de te dedicares a estas causas de alma e coração, és um exemplo a seguir por todos. Abraço

Aceitam-se encomendas de serenatas em Coimbra - Sol


"A encomenda de uma serenata para fazer uma surpresa à pessoa amada passa a ser uma possibilidade na próxima segunda-feira, Dia dos Namorados, no âmbito de uma campanha de captação de clientes para a Baixa de Coimbra.

Os interessados só têm de contactar a Agência de Promoção da Baixa de Coimbra (APBC), que lhes disponibilizará um cantor. Depois é só escolher do 'cardápio' a canção e indicar a hora e o local onde que pretende presentear a outra pessoa.
O programa, que «é um pretexto para trazer pessoas à Baixa», começa no dia 10 e culmina a 14 com um programa especificamente dedicado ao Dia dos Namorados, em que o chocolate é o 'mimo' para celebrar a ocasião.
Até ao dia 13, as lojas aderentes vão distribuir bombons aos seus clientes, bilhetes de estacionamento nos parques da zona e senhas que os candidatam a um jantar romântico, um perfume, um saco de viagem e uma noite a dois numa unidade hoteleira da cidade.
No dia 14, a Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra promove a degustação de produtos de chocolate em duas praças da Baixa, na Portagem e no Largo do Poço.
Os restaurantes irão oferecer jantares românticos aos seus clientes e sobremesas especiais confeccionadas propositadamente para o dia, em que o chocolate será dominante.
As lojas, excepcionalmente, prolongarão o horário até às 21h, para permitir a compra de prendas de última hora.
Às 19h, a anteceder a ida ao restaurante, ou para casa, a banda ANAQUIM brinda os transeuntes com um concerto na Praça 8 de Maio.
«Iniciativas como esta, aproveitando a ocasião, são um pretexto para trazer as pessoas à Baixa», declarou hoje, na conferência de imprensa de apresentação do programa, Isabel Campante, da direcção da Agência de Promoção da Baixa de Coimbra."
Lusa /SOL
Pode ler a noticia no link abaixo;

Pode saber mais noticias clicando no link do blogue Questões Nacionais

Musica da Revolta? No 25 Abril também ouve uma...


Deolinda - Parva que sou

Música e letra: Pedro da Silva Martins


Sou da geração sem remuneração

e não me incomoda esta condição.

Que parva que eu sou!

Porque isto está mal e vai continuar,

já é uma sorte eu poder estagiar.

Que parva que eu sou!

E fico a pensar,

que mundo tão parvo

onde para ser escravo é preciso estudar.


Sou da geração «casinha dos pais»,

se já tenho tudo, pra quê querer mais?

Que parva que eu sou

Filhos, maridos, estou sempre a adiar

e ainda me falta o carro pagar

Que parva que eu sou!

E fico a pensar,

que mundo tão parvo

onde para ser escravo é preciso estudar.


Sou da geração «vou queixar-me pra quê?»

Há alguém bem pior do que eu na TV.

Que parva que eu sou!

Sou da geração «eu já não posso mais!»

que esta situação dura há tempo demais

E parva não sou!

E fico a pensar,

que mundo tão parvo

onde para ser escravo é preciso estudar.



“MEMBROS FAVORES EM CADEIA” - Desaparecimento do Sr. João Gonçalves

Quer fazer parte dos “MEMBROS FAVORES EM CADEIA”?

Desapareceu na passada 5ª feira, dia 3, do Lar da Santa Casa da Misericórdia de São Brás de Alportel, o Sr. João Gonçalves, (meu pai) de 85 anos.
Na altura vestia casaco castanho claro, e calças castanhas.
O desaparecimento foi detectado por volta das 15 horas, não tendo sido detectada a sua saída nem direcção.
Até ao momento apesar de buscas da GNR com equipa sinotécnica, Bombeiros, familiares e populares, não voltou a ser detectado. Nem existe qualquer notícia, nem na vila de São Brás, nem nas localidades próximas, Faro, Loulé, Tavira.
O Sr. sofre de Alzheimer, e embora tenha boa capacidade de locomoção para a idade é dependente. A estrada para Faro foi a possibilidade mais considerada, mas tal não se verificou até ao momento.
Agradece-se a máxima divulgação entre contactos e amigos nesta área.
Contacto: 917207522
João Gonçalves

Casamento

Atenção ao Borda de D´ Água que se compra nas ruas da baixa de Coimbra.

Atenção ao Borda de D´ Água que se compra nas ruas da baixa de Coimbra.

Apercebi-me que andam romenos a vender o Borda de D´ Água que mais não passam de uma reprodução do original, é visível a qualidade do papel e a dimensão do mesmo, para além de não terem o carimbo vermelho na capa. Também tive conhecimento que muitas dessas cópias têm a capa do Borda de D´ Água para o ano 2011 mas o seu conteúdo é do ano anterior.

Há cada vez mais alunos a chegar com fome à escola em Coimbra


DR
"O vereador João Orvalho denunciou ontem na reunião do executivo o aumento de número de estudantes que, dia após dia, chegam com fome às escolas de todo o concelho. Nos encontros que tem andado a realizar junto dos agrupamentos, o autarca disse que as direções das escolas têm dado conta da situação, apesar de não especificarem que tipo de crianças ou jovens são abrangidos com este flagelo social.
Se, nos estabelecimentos do 1.º ciclo, os casos são logo sinalizados e as questões resolvidas através dos protocolos estabelecidos entre a câmara e as IPSS, as escolas do 2.º e 3.º ciclo e do secundário, a questão muda de figura. “A quantificação é muito difícil de fazer, mas avisaram-nos que aumentaram significativamente os reforços dos almoços e dos lanches” nestas escolas, disse.
Para que tal seja possível, João Orvalho referiu que a solução encontrada por algumas escolas foi ir buscar “às receitas próprias o suporte desta decisão”.
Mas se esta questão é, já por si, preocupante, o vereador com o pelouro da educação recordou que o município está a deparar-se com outro tipo de problema: o incumprimento, por parte dos pais, do pagamento das refeições que são dadas em todos os estabelecimentos de ensino. “A ordem dada é que nenhuma criança ficará sem almoçar mesmo que os pagamentos não estejam a ser efetuados”, garantiu.
Questionado se o problema é sentido mais nas escolas de freguesias de meios urbanos ou rurais, o vereador afirmou que ele “é transversal”. “Os diretores não nos conseguem diferenciar. Mas os problemas são claros. Chegamos ao ponto das crianças já entrarem de manhã nas escolas com fome”, referiu.
Para além das refeições escolares, a tendência é de que o problema se estenderá aos transportes. Os serviços da autarquia, de acordo com o vereador, “recebem diariamente mais pedidos de apoio” para os transportes. Isso poderá levar ao reforço da verba inscrita no orçamento de 2011. “As pessoas vão, cada vez mais, ficar com menos capacidade de se deslocarem por meios próprios para os estabelecimentos de ensino”, afirmou.
Para já, os serviços da autarquia estão a estudar a melhor forma de resolver o problema, pois “há zonas limítrofes do concelho, onde temos concessões de transportes, e em que o objetivo é repensar muito bem o trajeto que os autocarros fazem, pois isso vai fazer toda a diferença entre as crianças irem ou não irem às escolas”."
Noticia : www.asbeiras.pt

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Este anúncio foi publicado num famoso site de procura e oferta de trabalho nacional.

Este anúncio foi publicado num famoso site de procura e oferta de trabalho nacional.

Um jovem recém-licenciado na área leu-o e achou que devia responder à letra!
A Revista Visão de 16 de Julho publica um artigo sobre o jovem que deu esta resposta!
A XXXXXXXXXX está a aceitar candidaturas para estágio na área de Design
Requisitos Académicos: Finalista ou recém-licenciada(o) em Design
Competências pessoais:
* Poder de comunicação;
* Iniciativa;
* Auto-motivação;
* Orientação para resultados;
* Capacidade de planeamento e organização;
* Criatividade
Competências técnicas:
Conhecimentos nos seguintes programas/linguagens
® Adobe Photoshop,
® InDesign,
® Illustrator (FreeHand e Corel Draw) Flash,
® Dreamweaver,
® Premiere,
® AfterEffects,
® SoundBooth,
® SoundForge,
® AutoCad,
® 3D StudioMax
® HTML (basic),
® ActionScript 2.0 (basic),
® CSS,
® XML.
Remuneração: Estágio Remunerado
Duração: 6 meses, com possibilidade de integração na equipa
Portanto, e resumindo, esta empresa quer um recém-licenciado que saiba de origem 13 softwares e 4 linguagens de programação. Isto é o país em que vivemos. Não me ficando atrás perante esta pérola, decidi responder no mesmo estilo. Eis o que lhes respondi:
PESSOAL…ESTA VALE MESMO A PENA LER ATÉ AO FIM…..
Boa noite,

Estou a entrar em contacto para responder ao anúncio colocado no site Carga de Trabalhos para a posição de estagiário em Design. Chamo-me André Sousa, tenho 25 anos e sou um recém-licenciado em Design de Equipamento (Fac. Belas Artes de Lisboa). Sou extremamente comunicativo, transbordo iniciativa e auto-motivação, estou constantemente orientado para os objectivos como uma bússola para o Norte (magnético), sou mais planeado e organizado que o Secretário de Estado de Planeamento e Organização e sou um diamante da criatividade como já devem ter percebido e como vão poder comprovar nas próximas linhas.
Quanto aos conhecimentos técnicos:
Sou um mestre em Adobe Photoshop.
Conheço o InDesign por dentro e por fora.
O Illustrator, Freehand, Corel e o Flash são os meus brinquedos do dia-a-dia, faço o que quiser com eles.
Nem me ponham a falar do Dreamweaver, até de olhos fechados...
Premiere... Até sonho com ele!
AfterEffects tem um lugar especial no meu coração.
Faço umas coisas bem maradas com o SoundBooth e o SoundForge.
Com o Autocad e o 3d Studio Max até vos faço duvidar dos vossos próprios olhos.
Html, Action Script 2.0, CSS e XML são as linguagens do meu mundo.
Mas sejamos francos, qualquer estudante de 1º ano sabe de cor e salteado qualquer um destes 13 softwares e 4 linguagens de programação...
Eu sou um recém finalista. E como tal tenho muito mais para oferecer:
Tenho conhecimentos de Cinema 4D, Maya, Blender, Sketch Up e Paint ao nível de guru.
Tenho conhecimentos mega-avançados de C+, C, C++, C+ ou -, Java, JavaScript, Ruby on Rails, Ruby on skates, MySQL, YourSQL, Everyone'sSQL, Action Script 3.0, Drama Script 3.0, Comedy Strip 3.0 e Strip Tease 2.5, Ajax, Vanish Oxi Action, Oracle, Sonasol, XHTML, Batman e VisualBasic.
Conheço o Office todo de trás pra frente assim como o Microsoft WC.
Domino o Flex ao nível do Bill Gates e mexo no Final Cut Pro melhor que o Steven Spielberg.
Tenho ainda conhecimentos de grande amplitude em 4 softwares que estão a ser desenvolvidos por grandes marcas e também de 3 outros softwares que ainda não foram inventados.
Falo 17 línguas, 5 das quais já estão mortas e 6 dialectos de povos indígenas por descobrir.
Com estes conhecimentos todos estou super interessado num estágio porque acho que ainda tenho muito para aprender e experiência para ganhar. Espero que ao fim de 6 meses tenha estofo suficiente para poder fazer parte da vossa equipa e quem sabe liderá-la.
Fico ansiosamente à espera de uma resposta vossa.
Embora tenha uma oportunidade de emprego na NASA e outra no CERN espero mesmo poder fazer parte da vossa equipa.
Cumprimentos, A. S.

PS: Com um anúncio desses, a pedir o que pedem a um recém-licenciado, é uma resposta destas que merecem. Peço desculpa se feri susceptibilidades mas não me consegui conter."

Amigo bloguer venho convidá-lo a fazer parte de “Favores em Cadeia”.

Trata-se de uma ideia pioneira assente na solidariedade entre “bloguers”. Como sabe, só nível nacional, somos milhares. Acontece que quando temos conhecimento de alguém que precisa da nossa ajuda, normalmente, não sabemos onde bater. E das duas uma: ou batemos sempre à porta dos mesmos ou não temos onde clamar por amparo.
Ora, para um caso concreto de ajuda a alguém necessitado, um de nós, entre tantos, certamente terá uma solução, ou conhecerá alguém que está no sítio certo e pode auxiliar.
Vou dar um exemplo aleatório: o Fernando de 52 anos, um trabalhador humilde, que até veio dos Gaiatos e lutou toda a sua vida contra a pobreza para ter uma vida digna, tem a esposa numa cadeira de rodas. Esta foi operada há três meses nos HUC a uma doença que dá pelo nome de “Seringomiolia”, é uma doença degenerativa do foro neurológico. Foi a andar para a mesa de operações e saiu em cadeira de rodas. O Fernando não se conforma, ninguém lhe dá uma explicação cabal quanto ao presente e muito menos quanto ao futuro da esposa. Quando vai falar com os médicos, estes, vão empurrando uns para os outros e ele sente-se uma folha seca a esvoaçar ao sabor do vento norte.
De lágrimas a correr pela face em torrentes de dor, pede ajuda para a sua companheira. “A minha maior angústia é não saber o que fazer para ajudar a minha mulher. Não tenho meios financeiros para ir com ela a qualquer outro lado. Já viste, Luís, ela tem apenas 52 anos. Como é que eu posso viver com este sentimento de impotência?” – e as lágrimas, como gotas de orvalho, vão-se amontoando na sua barba branca.
Imagine que esta história era mesmo real e o Fernando estava a falar consigo, como se sentia? Imaginava que a doente em causa poderia perfeitamente ser a sua mulher? Ora você tem um blogue. O que fazia? Pedia ajuda para o Fernando num texto dramático de apelo? Ou direccionava a alguém que você já incomodou noutras vezes? Pensemos que o seu apelo foi mesmo dirigido a esta pessoa. Por muito bom fundo que todos tenhamos, estar sempre a ser incomodados chateia. Por outro lado, para quem pede, pedir sempre ao mesmo, é um peso difícil de digerir.
Então, a ideia é copiar e postar no “cabeção” do blogue este símbolo:


Com a seguinte mensagem: “MEMBRO DE FAVORES EM CADEIA – AJUDAR SEM OLHAR A QUEM” pode ver o exemplo neste blogue.

Para um qualquer caso, o alerta seria mandado para um outro blogue. Cada um apenas se compromete a enviar a outro. E assim sucessivamente, até chegar à pessoa que pode ajudar.
O que subjaz neste acto é apenas a ajuda desinteressada a alguém. O símbolo foi retirado da Internet. Pode acontecer não gostar dele ou achar que pode ter uma qualquer conotação. Se parece, será apenas coincidência. Sublinho, o primado desta acção é apenas a entreajuda global. Apenas isso e mais nada. Não tem que pagar nada, ou dar qualquer informação pessoal. Precisa apenas de postar o símbolo e estar disposto a ajudar na divulgação da mensagem, passando a informação a outro blogue.
Quer fazer parte dos “MEMBROS FAVORES EM CADEIA”?

Nota: Se não tem blogue pode fazer  mesmo via e-mail.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Deolinda - Parva que Sou, Coliseu do Porto. Assim damos a volta a isto!


Sou"pai" de duas crianças fantásticas desta geração inteligente, culta e competente. Que desperdício! Quem perde é este desgraçado país! (até os "pais"já são todos contratados!) Esta letra é inteligentíssima pela sua simplicidade. Parvos, pequeninos, poucochinhos, são estes políticos que não vêem que já ninguém lhes dá crédito. Muito bem, Deolinda! A vossa canção é emocionante para os pais que acham que é pela cultura que se deve investir nos filhos. Não desistas, geração da casinha dos pais.

A "Alta" de Coimbra em baixa

Na velhinha Alta de Coimbra, as ruas estão assim! para além de escuras, estreitas e tortas...estão com pedras soltas. Depois há que não esquecer que se tem realizado o downhill e tudo se agrava!

Texto e fotografias de Palmira Marques.