sábado, 20 de novembro de 2010

"votar é um prazer"


O partido socialista da Catalunha lançou um vídeo para incentivar a massa mais jovem a votar. Sob o mote "Votar é um prazer", compara este gesto ao ato sexual, com a mulher a ter um orgasmo ao colocar o voto na urna.

Mas esta campanha já foi alvo de várias críticas, mesmo dentro do partido. A líder do partido popular da Catalunha, Alicia Sanchez-Camacho, diz que este ataca a dignidade da mulher.
Bibiana Aido, ministra para a igualdade, pertencente ao partido socialista, afirma "se fosse verdade a participação eleitoral ia subir de bom grado, mas estamos a lidar com publicidade enganosa".
Mas para o líder do partido socialista catalão, o vídeo pode ser positivo: "Se encorajar as pessoas a votar, é uma coisa boa".
Veja o vídeo da polémica campanha que quer passar a mensagem de que "votar é um prazer":
Fonte : Expresso

Vamos aquecer Coimbra

Fotos de Associação Integrar

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Esta dedico-a a mim!

EB1 de São Bartolomeu. Portão vai ser aberto!

Caro amigo, senhor Luís:

Os meus melhores cumprimentos.
Gostaria que publicasse no seu/nosso blogue uma notícia em primeira-mão. Há poucas horas cheguei a acordo com o Agrupamento por causa do problema da escola de São Bartolomeu e que teima em se arrastar. Depois de falar com a directora, e de lhe transmitir o quanto esta situação me estava a incomodar, chegámos a uma solução aparentemente fácil e possível. A junta de freguesia de São Bartolomeu vai chamar a si a resolução deste problema. E assim, durante todos os dias, vai ter uma pessoa às 8H50 para abrir o portão. Mas, atenção, há um pormenor muito importante: os pais dos alunos terão de acompanhar os seus filhos, estando presentes, até á entrada para a escola, que ocorrerá às 9H00.
Embora já esteja apresentar o plano, saliento que vou fazer ainda uma reunião com os dois responsáveis por cada sala. Se a razão do diferendo era abertura do portão, meus senhores, a junta, chamando a si este esforço, resolve o problema.
Confesso que não era minha intenção estar a implicar a minha junta a que presido na resolução do problema, mas, depois de pensar melhor, vendo o esforço do Jorge Neves em querer contribuir para a solução desta dificuldade, entendi que, com mais um passo, poderíamos ficar todos a ganhar. É para isso que o executivo e todos os restantes membros da freguesia foram eleitos.
Um grande abraço e muito obrigado pela forma como se coloca nos problemas que afligem a freguesia.
CARLOS CLEMENTE
(Presidente da Junta de Freguesia de São Bartolomeu)
Pode ler a noticia em primeira mão clicando aqui.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

II Cantar de Estudante . Na Praça 8 de Maio no dia 19 de Novembro.

Carrinhos de mercadorias e outros afins.


Estes veículos de mercadorias não pagam estacionamento nem estão sujeitos a serem rebocados.

Poda...

EB1 de São Bartolomeu. Portão aberto sim, mas sem descriminação...


De: José Correia Lopes (DREC)
Exmo. Sr. Jorge Neves
Na sequência da exposição que nos remeteu sobre o assunto em epígrafe, somos a comunicar que, sendo assunto da estrita competência da Exma. Sra. Directora do Agrupamento de Escolas, solicitámos esclarecimentos sobre a situação e fomos informados que a Direcção Executiva promoveu já uma reunião com os encarregados de educação da EB1 de S. Bartolomeu, onde esta situação foi debatida, tendo os encarregados de educação sido informados de que:
a. Existe ATL a funcionar na escola desde as 7:30h;
b. O horário de funcionamento foi estabelecido no início do ano, à semelhança dos anos transactos, não tendo sido solicitado outro em momento algum;
c. Considerando que alguns pais não têm de cumprir horários, pelo facto de estarem desempregados, ao invés de outros que chegam antes das nove horas porque precisam de ir trabalhar, foi solicitado o levantamento das necessidades dos pais que se encontram nesta última situação para, posteriormente e em articulação com o ATL, ser encontrada uma resposta para os seus problemas. Contudo, até ao momento, tal informação não foi facultada à Direcção Executiva;
d. No que diz respeito ao conteúdo das afirmações sobre o seguro escolar na exposição de Vossa Excelência, o mesmo não corresponde inteiramente à verdade.
Face ao que nos é informado, apelamos à melhor colaboração e comunicação entre os pais e encarregados de educação e a Direcção Executiva, de modo a encontrar-se a melhor solução. De facto, não haverá, da parte desta Direcção Regional, qualquer obstáculo a que se recebam as crianças na escola antes de se iniciarem as actividades lectivas, como aliás está previsto pelo Ministério da Educação, quando reconhece a necessidade de implementação da componente de apoio à família.
Com os melhores cumprimentos
José Correia Lopes
Director de Serviços

A minha resposta :

Em resposta pública ao correio electrónico que me foi endereçado, devo informar que a reunião foi realizada a pedido da DREC.

Em relação ao exposto na alínea a), devo informar que os pais sabem bem que existe um ATL a funcionar nas instalações da Escola, mas o preço a pagar para os seus educandos o frequentar só por 15 minutos diários é elevado para os tempos de crise que nos “obrigam” a viver, para além de ter o mesmo á preço do que os alunos que frequentam o ATL com mais frequência.
Em relação ao exposto na alínea b), sem duvida que o horário foi estabelecido no inicio do ano lectivo, mas a Escola tinha o conhecimento que este assunto se arrasta acerca de 3 anos e que por motivos que não são relevantes para o caso nunca foi resolvido e nem os pais convocados para falar sobre o assunto.


Em relação ao exposto na alínea c), não aceito nenhum tipo de descriminação para alunos de pais empregados ou desempregados, todos são pais, onde uns trabalham, outros estão sujeitos a programas de inserção social.
Em relação ao exposto na alínea d), se as minhas afirmações sobre o seguro escolar não são inteiramente verdade, agradeço que me seja informado qual a parte que não é verdade, porque a referida Portaria segundo o meu entender não tem meias verdades nem meias mentiras, já que o seguro abrange todos os alunos de forma igual conforme o artigo 2º.
Aproveito para deixar uma pergunta para que me seja respondida bem como “ o mesmo não corresponde inteiramente à verdade”.
O seguro escolar é o mesmo para os alunos do 1º Ciclo, 2º Ciclo e 3º Ciclo conforme está bem explícito na Portaria 413/99.
Se os alunos do 2º Ciclo que frequentam as aulas na Sede do Agrupamento ”Escola Silva Gaio”, só iniciam as aulas pelas 8h30, porque razão já podem entrar para dentro da Escola a partir das 8h00, que é a hora que abrem o portão? Não se cumpre a Lei do seguro escolar com esses, ou não a querem cumprir com os alunos do 1º Ciclo?
Da minha parte e da parte dos restantes pais estamos completamente disponíveis para colaborar de modo a encontrar a melhor solução, mas nunca aceitando nenhum acto discriminatório ainda para mais numa escola que tem crianças oriundas de vários países e de etnias. Esperamos que após a DREC ter dito que não põe qualquer obstáculo a que se recebam as crianças na escola antes de se iniciarem as actividades lectivas, que agora o Agrupamento assim siga esse não entrave, já que na reunião disse aos pais que se a DREC ordenasse eles não metiam entrave algum em abrir o portão mais cedo.
Sem mais nada de momento, grato pela resposta e fico aguardar a resposta às questões que enviei.
Atenciosamente
Jorge Neves

Estamos entregues à bicharada…

"Jovem dirigente do PS ganha o salário de assessor a tempo inteiro ao mesmo tempo que recebe subsídios do IEFP para criar o seu posto de trabalho. Empresa criada está inactiva
Um jovem de 26 anos, sem currículo profissional nem formação de nível superior, foi contratado, em Dezembro, como assessor técnico e político do gabinete da vereadora Graça Fonseca na Câmara de Lisboa (CML). Remuneração mensal: 3950 euros ilíquidos a recibo verde. Desde então, o assessor - que estava desempregado, fora funcionário do PS e candidato derrotado à Junta de Freguesia de Belém - acumulou esse vencimento com cerca de 41.100 euros de subsídios relacionados com a criação do seu próprio posto de trabalho.

Filho de um funcionário do PS que residiu até 2008 numa casa da CML com uma renda de 48 euros/mês, Pedro Silva Gomes frequentou o ensino secundário e entrou muito novo para os quadros do partido. Em 2006 foi colocado na Federação Distrital de Setúbal, onde se manteve até meados de 2008, ano em que foi reeleito coordenador do secretariado da secção de Santa Maria de Belém, em Lisboa. Entre os membros deste órgão conta-se a vereadora da Modernização Administrativa da CML, Graça Fonseca.
Já em 2009, Gomes rescindiu por mútuo acordo o contrato com o PS - passando a receber o subsídio de desemprego - e em Outubro foi o candidato socialista à Junta de Belém. No mês seguinte, perdidas as eleições, criou a empresa de construção civil Construway, com sede na sua residência, no Montijo, e viu aprovado o pagamento antecipado dos meses de subsídios de desemprego a que ainda tinha direito, no valor total de 1875 euros, com vista à criação do seu próprio posto de trabalho.
Logo em Dezembro, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) aprovou-lhe também um subsídio, não reembolsável, de 57.439 euros, para apoio ao investimento na Construway e para a criação de quatro postos de trabalho, incluindo o seu. Deste valor Pedro Gomes recebeu 26.724 euros ainda em Dezembro, sendo 4086 para investimento e 22.637 para os postos de trabalho. No dia 1 desse mesmo mês, porém, o jovem empresário celebrou dois contratos de prestação de serviços com a CML, para desempenhar funções de "assessoria técnica e política" no gabinete de Graça Fonseca. O primeiro tem o valor de 3950 euros e o prazo de 31 dias. O segundo tem o valor de 47.400 euros e o prazo de 365 dias. O segundo destes contratos refere que os serviços serão prestados no gabinete de Graça Fonseca e no Gabinete de Apoio ao Agrupamento Político dos Vereadores do PS.
A autarca disse ontem ao PÚBLICO que foi ela quem convidou Gomes e garantiu que ele é "efectivamente" assessor do gabinete do PS, cuja coordenação, acrescentou, lhe foi "confiada". Este gabinete, porém, não tem existência real, sendo que Pedro Gomes é assessor de Graça Fonseca, tal como outro dos três assessores que teoricamente o compõem. O terceiro é assessor da vereadora Helena Roseta.
Graça Fonseca disse que Gomes "foi contratado por estar à altura das funções às quais foi adstrito e por ser um lugar de confiança política". A autarca garantiu que desconhece o facto de o seu assessor ter recebido os subsídios do IEFP. Já a direcção deste instituto adiantou que Gomes já recebeu este ano mais 12.593 euros para apoio ao investimento, tendo ainda a receber cerca de 10.500 euros. Face às perguntas do PÚBLICO sobre a acumulação ilegal do lugar de assessor com os apoios recebidos e aos indícios de que a Construway não tem qualquer actividade, o IEFP ordenou uma averiguação interna e admite que a restituição dos valores recebidos pelo empresário venha a ser ordenada. O presidente da CML, António Costa, não respondeu às perguntas do PÚBLICO.
PS não explica rescisão do contrato de trabalho
Os subsídios recebidos por Pedro Gomes foram concedidos ao abrigo de uma cláusula legal referente a pessoas em situação de "desemprego involuntário". Nos termos da lei, considera-se involuntário, entre outros, o desemprego que tenha origem num acordo de cessação do contrato de trabalho. A lei estabelece, porém, que só são considerados desempregados involuntários os trabalhadores cujas rescisões de contratos de trabalho por comum acordo "se integrem num processo de redução de efectivos, quer por motivo de reestruturação, viabilização ou recuperação da empresa, quer ainda por a empresa se encontrar em situação económica difícil". Quer isto dizer que para ter acesso ao subsídio de desemprego e aos apoios que recebeu do IEFP, Pedro Gomes teria de ter saído do Partido Socialista no quadro de um processo de redução de pessoal determinado por um daqueles motivos. O PÚBLICO perguntou ao PS qual o fundamento do acordo de rescisão acordada com Pedro Gomes no ano passado mas não obteve resposta."
Fonte: www.publico.pt

XVI Feira Internacional de Minerais.

 
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA TERRA-UC

Um grito de socorro...

(Fotografia do Questoes Nacionais)
UM APELO EM FORMA DE COMENTÁRIO ANÓNIMO

Exmº senhor gostaria de fazer um apelo: ajudem os funcionários da ACIC, até hoje ainda sem receberem ordenados (sub. de férias; Outubro; e já vão no meio de Novembro) e nada.
O que vai ser destas pessoas? Mas segundo fontes, há outras prioridades (como os vencimentos dos funcionários não seja uma das prioridades) pois as asneiras foram tantas que quem sofre é o mais pequeno, estas pessoas não recebem, mas para irem trabalhar ainda têm que gastar (combustível, senhas de autocarro, ou ir a pé) por favor olhem por esta gente. Será que não há ninguém que ponha estes gestores na linha ou sejam chamados à responsabilidade?
Isto é um pedido de ajuda, pois as pessoas não podem viver do ar com tantas responsabilidades que cada um tem mas estes gestores já aprenderam com os do governo e então dizem "Não há perspectivas".

NOTA DO EDITOR:
Meu caro anónimo, ao ler a sua carta fico estarrecido. Não é que seja algo de novo para mim. Eu sei que o que conta é verdade, e, para mais, já recebi aqui outros comentários anónimos em forma de queixa sobre o mesmo assunto.
Antes de prosseguir gostaria de dizer que nada de pessoal me move contra a Associação Comercial e Industrial de Coimbra. Pertenci à direcção até 2003. Sai em rotura. Apesar disso, sem qualquer sentimento de "revanche", continuo a acompanhar de perto a situação institucional, em relação aos comerciantes, e financeira. Já escrevi muito sobre este assunto. Pode ler Aqui  em jeito de sátira, onde denuncio a má gestão que refere.
Tenho a certeza que este seu SOS não tem nada a ver com o facto de amanhã se realizarem eleições. Até porque, concorrendo uma só lista, este seu apelo em nada irá influenciar o resultado.
Espero sinceramente que depois deste seu lancinante grito de ajuda a imprensa diária da cidade pegue no assunto já.
Resta-me enviar-lhe um abraço de solidariedade.
Este blogue, mesmo condenando o anonimato, estará sempre aberto a denúncias públicas como esta.
Agora falo eu:
Não se pode admitir situações destas, tambem podem contar com o meu total apoio e  solidariedade. No meu entender, caso sejam sindicalizados ou não deviam unir esforços e pedir a penhora do edifício para acautelarem os vossos ordenados.
( Texto e fotografia do Blogue Questões Nacionais)

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Uma reflexão sobre a abertura do portão da EB1 de São Bartolomeu

Vamos retroceder uns anos para fazer a respectiva introdução a este tema.
Para quem não sabe, fui funcionário da Escola Silva Gaio durante cinco anos, conheço profundamente o seu funcionamento.
Fiz muitos anos a limpeza das salas de um Bloco inteiro, mais propriamente do bloco três, onde tinha de limpar diariamente os tampos das mesas com liquido verde, o quadro e repor o giz, isto tudo das 18h15 até perto das 18h30, o que é bastante mais trabalho que dispensar a Assistente Operacional da EB1 de São Bartolomeu dez minutos para abrir o portão, pois as salas são muito menos e a louça que está na máquina de certeza que não demora mais que dez minutos a retirar, algo que podia ser feito logo após o toque de entrada pelas 9 horas, basta haver boa vontade de quem de direito.
Já falei de uma forma muito superficial com alguns pais para constituirmos uma Comissão de Pais. Porque uma Comissão de Pais e não uma Associação de Pais e Encarregados de Educação? Uma pergunta de fácil resposta, o Agrupamento já tem uma Associação de Pais, a EB1 de São Bartolomeu pertence a esse Agrupamento, por isso acho lógico uma simples Comissão de Pais que faça a articulação com a respectiva Associação.
O formalizar de uma Associação de Pais, requer disponibilidade e participação activa dos pais, estatutos, a aprovação dos mesmos e tem custos, custos estes que nos tempos que correm, de crise económica e de instabilidade social, não acho moralmente aceitável pedir mais este esforço financeiro aos pais, ainda para mais a maioria dos pais destes alunos são na maioria cidadãos com carências aos mais variados níveis.
Numa outra perspectiva, a criação de uma Associação de Pais nesta EB1 neste momento, não será viável por diversas razões que passo a citar:
- Custos para a criação da mesma
- Tempo de demora para aprovação e registo da Associação
- O existir já uma Associação na Sede do Agrupamento
- E no meu caso em concreto, ser Vogal de uma Associação de Pais num outro Agrupamento, mas encontro-me disponível para ajudar de forma activa e participar na elaboração dos estatutos para uma futura Associação de Pais, que no meu entender devia ser constituída na sua maioria por Pais de alunos do 1º e 2º Ano.
De volta ao assunto em concreto, penso que não existe duvidas algumas que os alunos estão abrangidos pelo seguro escolar, pois os alunos da Sede do Agrupamento que iniciam as aulas às 8h30, já têm o portão aberto pelas 8h00, e o seguro escolar é o mesmo que dos alunos do 1º Ciclo e também sei, porque já tive o cuidado de assistir, que os alunos do 1º Ciclo que utilizam a Sede do Agrupamento para terem aulas, quando está mau tempo, entram cerca de 15 minutos mais cedo para dentro da Escola.
Muito resumidamente, penso que se imperar o bom senso, se existir um pouco de boa vontade, este é um problema que nem deveria ter chegado a ser, basta libertar a funcionária dez minutos das suas tarefas de limpeza, que as retomaria novamente às 9hoo e abrir o portão dez minutos mais cedo para que as crianças fiquem em segurança, não apanhem tanto frio e empurrões de quem passa, não inalem o mau cheiro que por vezes sai do contentor do lixo que se encontra à porta da Escola e que os pais possam entrar nos seus empregos a tempo e horas diariamente e que os alunos possam desfrutar do telheiro que a Junta de Freguesia mandou colocar no interior da Escola.

Viva as crianças! Viva a EB1 São Bartolomeu!


Diferenças 1978 e 2010


Vejamos como mudaram os tempos, e...

Situação: O fim das férias.
Ano 1978:
Depois de passar 15 dias com a família atrelada numa caravana puxada por um Fiat 600 pela costa de Portugal, terminam as férias. No dia seguinte vai-se trabalhar.
Ano 2010:
Depois de voltar de Cancún de uma viagem com tudo pago, terminam as férias. As pessoas sofrem de distúrbios de sono, depressão, seborreia, jet-lag.

Situação: Chega o dia de mudança de horário de Verão para Inverno.
Ano 1978:
Não se passa nada.
Ano 2010:
As pessoas sofrem de distúrbios de sono, depressão.

Situação: O Pedro está a pensar ir até ao monte depois das aulas, assim que entra no colégio mostra uma navalha ao João, com a qual espera poder fazer uma fisga.
Ano 1978:
O director da escola vê, pergunta-lhe onde se vendem, mostra-lhe a sua, que é mais antiga, mas que também é boa.
Ano 2010:
A escola é encerrada, chamam a Polícia Judiciária e levam o Pedro para um reformatório. A SIC e a TVI apresentam os telejornais desde a porta da escola.

Situação: O Carlos e o Quim trocam uns socos no fim das aulas.
Ano 1978:
Os companheiros animam a luta, o Carlos ganha. Dão as mãos e acabam por ir juntos jogar matrecos.
Ano 2010:
A escola é encerrada. A SIC proclama o mês anti-violência escolar,
O Jornal de Notícias faz uma capa inteira dedicada ao tema, e a TVI insiste em colocar a Moura Guedes à porta da escola a apresentar o telejornal, mesmo debaixo de chuva.

Situação: O Jaime não pára quieto nas aulas, interrompe e incomoda os colegas.
Ano 1978:
Mandam o Jaime ir falar com o Director, e este dá-lhe uma bronca de todo o tamanho. O Jaime volta à aula, senta-se em silêncio e não interrompe mais.
Ano 2010:
Administram ao Jaime umas valentes doses de Ritalin. O Jaime parece um Zombie. A escola recebe um apoio financeiro por terem um aluno incapacitado.

Situação: O Luís parte o vidro dum carro do bairro dele. O pai caça um cinto e espeta-lhe umas chicotadas com este.
Ano 1978:
O Luis tem mais cuidado da próxima vez. Cresce normalmente, vai à universidade e converte-se num homem de negócios bem sucedido.
Ano 2010:
Prendem o pai do Luís por maus-tratos a menores. Sem a figura paterna, o Luís junta-se a um gang de rua. Os psicólogos convencem a sua irmã que o pai abusava dela e metem-no na cadeia para sempre. A mãe do Luís começa a namorar com o psicólogo. O programa da Fátima Lopes mantém durante meses o caso em estudo, bem como o Você na TV do Manuel Luís Goucha.

Situação: O Zézinho cai enquanto praticava atletismo, arranha um joelho. A sua professora Maria encontra-o sentado na berma da pista a chorar. Maria abraça-o para o consolar.
Ano 1978:
Passado pouco tempo, o Zézinho sente-se melhor e continua a correr.
Ano 2010:
A Maria é acusada de perversão de menores e vai para o desemprego.
Confronta-se com 3 anos de prisão. O Zézinho passa 5 anos de terapia em terapia. Os seus pais processam a escola por negligência e a Maria por trauma emocional, ganhando ambos os processos. Maria, no desemprego e cheia de dívidas suicida-se atirando-se de um prédio. Ao aterrar, cai em cima de um carro, mas antes ainda parte com o corpo uma varanda. O dono do carro e do apartamento processam os familiares da Maria por destruição de propriedade. Ganham. A SIC e a TVI produzem um filme baseado neste caso.

Situação: Um menino branco e um menino negro andam à batatada por um ter chamado "chocolate" ao outro.
Ano 1978:
Depois de uns socos esquivos, levantam-se e cada um para sua casa.
Amanhã são colegas.
Ano 2010:
A TVI envia os seus melhores correspondentes. A SIC prepara uma grande reportagem dessas com investigadores que passaram dias no colégio a averiguar factos. Emitem-se programas documentários sobre jovens problemáticos e ódio racial. A juventude Skinhead finge revolucionar-se a respeito disto. O governo oferece um apartamento à família do miúdo negro.

Situação: Fazias uma asneira na sala de aula.
Ano 1978:
O professor espetava duas valentes lostras bem merecidas. Ao chegar a casa o teu pai dava-te mais duas porque "alguma deves ter feito"
Ano 2010:
Fazes uma asneira. O professor pede-te desculpa. O teu pai pede-te desculpa e compra-te uma Playstation.
É o que temos...

Até sempre Saramago!

José Saramago, o nosso Nobel da Literatura, partiu. Ainda me custa aceitar a ideia de que não terei o prazer de ler novos romances deste singular escritor da Língua Portuguesa. Confesso que, em certo sentido, me sinto "órfão" ou como alguém afirmou, no elogio fúnebre, fiquei sem palavras «porque Saramago levou-as todas».

Assaltou bancos para comer - Sol

Como é triste viver num país como o nosso, onde se aumenta os subsídios de representação dos directores e dos políticos de forma simulada e se obriga a roubar para poder comer e ter o mínimo de dignidade.
Pode conferir a noticia aqui no SOL.

A crise tem destas coisas:

55 Deputados levam 716 mil euros em subsídios
No decorrer deste ano, os subsídios de reintegração na vida activa de 55 ex-deputados custaram cerca de 716 mil euros aos cofres da Assembleia da República, noticia o jornal «Correio da Manhã».
O regresso aos sectores privado e público de parlamentares do PSD (22), PS (29), MDP (2) e PPM (1) resultou, em média, a cerca de 13 mil euros, tendo havido casos em que o montante chegou aos 45 mil euros, segundo dados a que o jornal teve acesso.
Entre os contemplados com esta verba estão nomes como o da ex-ministra da Cultura Isabel Pires de Lima (PS), Matilde Sousa Franco (PS), Sónia Sanfona (PS), Feliciano Barreiras Duarte (PSD), Ana Manso (PSD), José Raul dos Santos (PSD) ou Nuno da Câmara Pereira (PPM).
Apesar da crise económico-financeira que atravessa Portugal, orçamento da Assembleia da República para este ano previa um montante acima de um milhão de euros para a reintegração de deputados na vida activa.
Fonte: TVI24

Apetece lembrar este famosa poema.


Primeiro levaram os judeus,
Mas não falei, por não ser judeu.
Depois, perseguiram os comunistas,
Nada disse então, por não ser comunista,
Em seguida, castigaram os sindicalistas
Decidi não falar, porque não sou sindicalista.
Mais tarde, foi a vez dos católicos,
Também me calei, por ser protestante.
Então, um dia, vieram buscar-me.
Mas, por essa altura, já não restava nenhuma voz,
Que, em meu nome, se fizesse ouvir.

(Poema de Martin Nieme)

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A menina que calou o mundo por 5 minutos.

Em defesa do Centro Histórico

A situação de degradação do centro histórico de Coimbra merece com carácter de urgência ser debatida com os cidadãos, os deputados municipais e a autarquia. Espero que este encontro se realize o mais rapidamente possível e que surjam propostas para a recuperação daquela zona da cidade, voltando-lhe a “atribuir vida”.
É inadiável tomar medidas para a zona histórica. “O centro histórico está a cair aos bocados, todos os dias há edifícios a desmoronarem-se. É uma zona quase sem moradores que ainda resta um pouco de comércio tradicional.”.
Gostava que as propostas dos cidadãos fossem ouvidas num debate público a agendar dentro em breve.

O PS a preparar o futuro de Coimbra .


domingo, 14 de novembro de 2010

Em Lorvão.

Cafés FEB investe 2,5 milhões em nova unidade em Coimbra e muda de nome

Os Cafés FEB – Fábricas Estrela da Beira vão investir 2,5 milhões de euros numa unidade de torrefação e em novas instalações, que serão construídas no parque industrial de Eiras, Coimbra, disse à Lusa o administrador da empresa.
O investimento, a “realizar nos próximos três anos”, faz parte da estratégia recente da empresa, que vai deixar de se limitar ao mercado nacional, acrescentou Casimiro Gomes, presidente da holding Lusovini, acionista maioritária da FEB Cafés.
Entretanto, os cafés FEB vão passar a designar-se comercialmente Febica.
A internacionalização já começou a ser desenvolvida com a abertura de uma filial em Angola (Luanda), país que já faz parte, tal como a França e, de algum modo, o Brasil e EUA, dos principais mercados externos dos cafés de Coimbra.
Nos últimos dois anos a FEB vendeu “30 por cento para o mercado externo”, que até então, representava apenas um por cento da sua produção. Febica, a nova marca dos cafés FEB, e o anteprojeto da unidade de torrefação vão ser apresentados no dia 17 de novembro, quando a empresa completa 66 anos.

Tempo morto, de João Negreiros

Universidade de Coimbra candidata-se a Património da Humanidade

A Universidade de Coimbra (UC) entrega, segunda-feira,  à Comissão Nacional da Unesco, o "dossiê da sua candidatura a Património da Humanidade", disse o reitor da instituição, Fernando Seabra Santos. A candidatura tem como "mote central" a "associação do passado, do presente e do futuro" da UC, o "prestígio da instituição" que se mantém na actualidade e faz dela "uma grande universidade europeia no século XXI", sublinha Seabra Santos.
Fonte : Lusa

Cito

ESEC na baixinha

E a culpa é dos funcionários públicos