sábado, 18 de setembro de 2010

Professor proibido de usar piercings recorre ao Tribunal


(Foto da Web)
"Um professor de educação física colocado no Centro Educativo dos Olivais, em Coimbra, foi impedido de usar "piercings" nas aulas pela direção deste estabelecimento da Direcção-Geral de Reinserção Social, uma decisão que vai contestar em tribunal.
Uma fonte do Sindicato dos Professores da Região Centro (SPRC) disse hoje à agência Lusa que o docente visado "está a ser acompanhado pelos serviços jurídicos" da organização sindical com sede em Coimbra.
"Tudo indica que há aqui um ato de discriminação ilegal e absurda", adiantou o sindicalista João Louceiro, coordenador da direção distrital de Coimbra do SPRC.
O professor em causa, de 31 anos, usa diariamente numa orelha "uma pequena argola e mais dois adornos de tamanho reduzido", tendo sido intimado pela diretora do Centro Educativo, Ângela Portugal, para remover as peças durante as actividades escolares.
Docente alegou "promessa de ordem pessoal"
A Lusa apurou que a direção ter-se-á baseado no regulamento interno da instituição dos Olivais, que proíbe aos jovens ali acolhidos o uso de piercings, regra que entendeu dever aplicar também aos docentes, apoiada nas orientações da Direcção-Geral.
O professor visado, que se escusa a falar do assunto, comunicou inicialmente à diretora que não pretendia retirar os piercings, justificando o seu uso com "uma promessa de ordem pessoal feita há dois anos".
Na segunda feira, ao apresentar-se no Centro Educativo para lecionar, foi-lhe reiterado na portaria que não poderia aceder às instalações escolares com os adornos, devendo ali aguardar por Ângela Portugal, que de imediato lhe confirmou a decisão tomada na semana passada.
O docente, após ter conversado com a direção do Agrupamento de Escolas Martins de Freitas, a que pertence, ainda faltou dois dias às aulas.
Sindicato considera "ilegal"
Aconselhado pelos serviços jurídicos do SPRC, acatou depois a ordem da superiora hierárquica, retirou os piercings e regressou esta quinta feira ao Centro Educativo, onde foi apresentado às turmas na companhia da diretora.
João Louceiro admitiu que a ordem da diretora para que o professor, ali colocado com outra colega de educação física, ambos adstritos ao Agrupamento Martins de Freitas, "até poderia ter justificação se fosse por motivos de segurança". "Mas tudo indica que não é isso que está em causa", sublinhou.
Um advogado do SPRC está a preparar uma contestação ao ato da instituição, que o sindicato considera ilegal.
Diretora recusa falar
A agência Lusa tentou obter desde sexta feira uma reação da diretora do Centro Educativo dos Olivais.
Ângela Portugal remeteu o assunto para o secretariado da Direcção-Geral de Reinserção Social, escusando-se a falar, mas todas as diligências se revelaram infrutíferas.
A Lusa insistiu também junto das relações públicas do Ministério da Justiça, mas igualmente sem resultado. "
Agora falo eu:
Sou funcionário do Ministério da Justiça, mais propriamente na Policia Judiciaria há onze anos e mandei colocar um brinco de pequenas dimensões. Qual o mal disso?

Deixei de ser bom profissional por isso? Deixei de ser tão homem como os meus colegas que não usam? Interfere alguma coisa no serviço?
Para além de uns olhares de lado ao princípio, de falarem nas minhas costas, pessoal já se habituou.
Os Regulamentos Internos não se sobrepõem às Leis, ou seja uma Lei menor não está a cima de uma Lei maior.
Como o professor em causa também coloquei o brinco por uma promessa pessoal.

Uma nova revolução? Porque não!

ISTO AINDA VAI ACABAR POR PROVOCAR UMA REVOLUÇÃO E O PIOR É QUE EM VEZ DE SER UM 25 DE ABRIL SÓ PODE VIR A SER UM 28 DE MAIO.
Mais uma golpada - Jorge Viegas Vasconcelos despediu-se da ERSE

É uma golpada com muita classe, e os golpeados somos nós....
Era uma vez um senhor chamado Jorge Viegas Vasconcelos, que era presidente de uma coisa chamada ERSE, ou seja, Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, organismo que praticamente ninguém conhece e, dos que conhecem, poucos devem saber para o que serve.
Mas o que sabemos é que o senhor Vasconcelos pediu a demissão do seu cargo porque, segundo consta, queria que os aumentos da electricidade ainda fossem maiores. Ora, quando alguém se demite do seu emprego, fá-lo por sua conta e risco, não lhe sendo devidos, pela entidade empregadora, quaisquer reparos, subsídios ou outros quaisquer benefícios.
Porém, com o senhor Vasconcelos não foi assim. Na verdade, ele vai para casa com 12 mil euros por mês - ou seja, 2.400 contos - durante o máximo de dois anos, até encontrar um novo emprego.
Aqui, quem me ouve ou lê pergunta, ligeiramente confuso ou perplexo: «Mas você não disse que o senhor Vasconcelos se despediu?».
E eu respondo: «Pois disse. Ele demitiu-se, isto é, despediu-se por vontade própria!».
E você volta a questionar-me: «Então, porque fica o homem a receber os tais 2.400contos por mês, durante dois anos? Qual é, neste país, o trabalhador que se despede e fica a receber seja o que for?».
Se fizermos esta pergunta ao ministério da Economia, ele responderá, como já respondeu, que «o regime aplicado aos membros do conselho de administração da ERSE foi aprovado pela própria ERSE». E que, «de acordo com artigo 28 dos Estatutos da ERSE, os membros do conselho de administração estão sujeitos ao estatuto do gestor público em tudo o que não resultar desses estatutos».
Ou seja: sempre que os estatutos da ERSE forem mais vantajosos para os seus gestores, o estatuto de gestor público não se aplica.
Dizendo ainda melhor: o senhor Vasconcelos (que era presidente da ERSE desde a sua fundação) e os seus amigos do conselho de administração, apesar de terem o estatuto de gestores públicos, criaram um esquema ainda mais vantajoso para si próprios, como seja, por exemplo, ficarem com um ordenado milionário quando resolverem demitir-se dos seus cargos. Com a benção avalizadora, é claro, dos nossos excelsos governantes.
Trata-se, obviamente, de um escândalo, de uma imoralidade sem limites, de uma afronta a milhões de portugueses que sobrevivem com ordenados baixíssimos e subsídios de desemprego miseráveis. Trata-se, em suma, de um desenfreado, e abusivo desavergonhado abocanhar do erário público. Mas, voltemos à nossa história.
O senhor Vasconcelos recebia 18 mil euros mensais, mais subsídio de férias, subsídio de Natal e ajudas de custo. 18 mil euros seriam mais de 3.600 contos, ou seja, mais de 120 contos por dia, sem incluir os subsídios de férias e Natal e ajudas de custo.
Aqui, uma pergunta se impõe: Afinal, o que é - e para que serve - a ERSE? A missão da ERSE consiste em fazer cumprir as disposições legislativas para o sector energético.
E pergunta você, que não é burro: «Mas para fazer cumprir a lei não bastam os governos, os tribunais, a polícia, etc.?». Parece que não.
A coisa funciona assim: após receber uma reclamação, a ERSE intervém através da mediação e da tentativa de conciliação das partes envolvidas. Antes, o consumidor tem de reclamar junto do prestador de serviço.
Ou seja, a ERSE não serve para nada. Ou serve apenas para gastar somas astronómicas com os seus administradores. Aliás, antes da questão dos aumentos da electricidade, quem é que sabia que existia uma coisa chamada ERSE? Até quando o povo português, cumprindo o seu papel de pachorrento bovino, aguentará tão pesada canga? E tão descarado gozo? Politicas à parte estou em crer que perante esta e outras, só falta mesmo manifestarmos a nossa total indignação.
Recebido por mail

A minha Freguesia de adopção representada na "Noite Branca"

O verdadeiro três em um da "Noite Branca"

O amigo Luís do Blogue Questões Nacionais, é o verdadeiro três em um, vejamos, ouve musica faz negocio e ainda faz a cobertura do evento que um dos jornais locais não fez.

Foi-se o bacalhau e ficaram as espinhas.

Fotografia tirada no dia de hoje pelas 09h00.

Um flash pelo meio da multidão...

Bacalhau de todas as maneiras e feitios

Noite Branca - Os Grupos que animaram as ruas da Baixa

Os nomes escondidos do processo Casa Pia

Se o gato está escondido mas tem o rabo de fora....?!!!!
Clique abaixo

No decorrer da Noite Branca

No meu entender as três maiores falhas da Noite Branca, aqui nas fotografias só estão visíveis duas porque a terceira e mais um aproveitamento político por parte de um Partido em apoio a um candidato Presidencial.

1- A Autarquia no dia antes deveria ter mandado lavar as ruas da baixa.
2- Os moradores e comerciantes (viam alguns), deviam ser mais civilizados e não colocarem o lixo nas ruas precisamente na hora dos jantares.
3- Este é um evento para dar vida à Baixa de Coimbra e não devia ser aproveitado para fazer campanha eleitoral.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Apetece-me chorar...

Apetece-me chorar...
Mas não consigo fazê-lo...
Sinto um acumular de lágrimas dentro de mim...
Não tenho forças para libertá-las...
Quero gritar bem alto, mas falta-me a voz....
Quero correr sem qualquer sentido...
Mas não sei que direcção tomar...

Desespero é tudo o que sinto...


"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero."

Vitor Hugo

Há professores educadores...


Duas histórias:

1ª.
Num liceu no Porto estava a acontecer uma coisa muito fora do comum. Um 'bando' de miúdas de 12 anos andava a pôr baton nos lábios, todos os dias, e para remover o excesso beijavam o espelho da casa de banho. O Cons.Exec. andava bastante preocupado, porque a funcionária da limpeza tinha um trabalho enorme para limpar o espelho ao fim do dia e no dia seguinte lá estavam outra vez as marcas de baton.
Um dia, um professor juntou as miúdas e a funcionária na casa de banho e explicou que era muito complicado limpar o espelho com todas aquelas marcas que elas faziam e, para demonstrar a dificuldade, pediu à empregada para mostrar como é que ela fazia para limpar o espelho.
A empregada pegou numa 'esfregona', molhou-a na sanita e passou-a repetidamente no espelho até as marcas desaparecerem.
Nunca mais houve marcas no espelho...
Há professores educadores...
2ª.
Numa dada noite, três estudantes universitários beberam até altas horas e não estudaram para o teste do dia seguinte.
Na manhã seguinte, desenharam um plano para se safarem. Sujaram-se da pior maneira possível, com cinza, areia e lixo. Então, foram ter com o professor da cadeira e disseram que tinham ido a um casamento na noite anterior e no seu regresso um pneu do carro que conduziam rebentou.
Tiveram que empurrar o carro todo o caminho e portanto não estavam em condições de fazer aquele teste.
O professor, que era uma pessoa justa, disse-lhes que fariam um teste-substituição dentro de três dias, e que para esse não havia desculpas. Eles afirmaram que isso não seria problema e que estariam preparados.
No terceiro dia , apresentaram-se para o teste e o professor disse -lhes com ar compenetrado que, como aquele era um teste sob condições especiais , os três teriam que o fazer em salas diferentes.
Os três, dado que tinham estudado bem e estavam preparados, concordaram de imediato.
O teste tinha 5 perguntas e a cotação de 20 valores.
Q .1. Escreva o seu nome ----- ( 0.5 valores)
Q.2. Escreva o nome da noiva e do noivo do casamento a que foste há quatro dias atràs ---(5 valores )
Q.3. Que tipo de carro conduziam cujo pneu rebentou.--( 5 valores)
Q.4 . Qual das 4 rodas rebentou ------- ( 5 valores )
Q.5. Qual era a marca da roda que rebentou ---- (2 valores)
Q.6. Quem ia a conduzir? ------ (2.5 valores)
Há professores educadores...

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O Pesadelo

Tive um pesadelo, acordo, olho-me no espelho e descubro que sou vesgo.
Procuro freneticamente nos bolsos, para ver minha fotografia no Bilhete de Identidade, para ver se sou realmente aquele.
Acho um passaporte e descubro.... sou espanhol...
Não pode ser, meu Deus!!!Sento-me inconsolável numa cadeira. Mas não é possível!! É uma cadeira de rodas, o que significa que, além de ser vesgo e espanhol, sou também deficiente físico!
É impossível, digo para mim mesmo, que eu seja vesgo, espanhol e deficiente físico...
- 'Amoooooor!', grita uma voz atrás de mim. É o meu namorado.. Porra!
Sou também maricas...!
- 'Foi você que usou a minha seringa?'
Ó Deus! Vesgo, espanhol, deficiente físico, maricas e se calhar seropositivo!
Desesperado, começo a gritar, a chorar, a arrancar os cabelos E...Nãooo!!!!!
Sou careca!
Toca o telefone. É meu irmão, que diz: Já arranjaste trabalho?
Que merda, descubro que também sou desempregado!!!
Tento explicar ao meu irmão que é difícil encontrar trabalho quando se é vesgo, espanhol, deficiente físico, maricas, viciado, talvez seropositivo, careca, mas não consigo, porque....
Porque sou gago!!!!
Transtornado, desligo o telefone, com a única mão que tenho, e com lágrimas nos olhos, vou até a janela olhar a paisagem.
Milhões de barracas ao meu redor...
Sinto uma punhalada no pace-maker: além de vesgo, espanhol, deficiente> físico, maricas, viciado, talvez seropositivo, careca, órfão, gago, desempregado, e cardíaco, vivo também numa barraca...
Começo a ficar indisposto e a sentir um calafrio dirijo-me ao guarda-fato para apanhar um casaco, e para minha surpresa, quando abro a gaveta encontro uma camisa do ... Benfica!
Aí já é sacanagem ...
Entro em desespero, pois além de vesgo, espanhol, deficiente físico, maricas, viciado, talvez seropositivo, careca, órfão, gago, desempregado, maneta, cardíaco, vivo também numa barraca .... e sou adepto do Benfica?!?
P..a que pariu!!!! Haverá pior???
Nesse momento, o meu namorado regressa e diz:
- Amooooooor, vamos, senão chegaremos atrasados ao Conselho Nacional do PS.
Desmaiei.....

Onde param as correntes de ferro que existiam por ali?

Esmurrei muitas vezes os joelhos nas correntes que existiram entre aqueles pilares, as feridas já se curaram mas ficaram as cicatrizes. E as correntes por onde param?

Atropelamento ou envenenamento na Praça do Comercio?

Um acordar na Praça da Republica

 Uma das etapas da vida académica em Coimbra.

Resposta do Grupo Parlamentar do CDS-PP - EB1 São Bartolomeu

Exmo. Senhor
Jorge Neves
Desde já agradecemos o Vosso contacto e pedimos desculpa na demora na resposta.
Tem chegado ao Grupo Parlamentar do CDS/PP inúmeros relatos relativos à falta de assistentes operacionais para o normal funcionamento das escolas.
Por forma a apresentar uma Pergunta ao Ministério da Educação, gostaríamos caso fosse possível, que nos envie mais informação sobre o número de crianças nessa escola e quantas sinalizadas como crianças com necessidades educativas especiais.
Ficando a aguardar o Vosso contacto nos despedimos,
Atentamente
Henrique Borges
Assessor do Grupo Parlamentar
Esta foi a resposta á exposição que fiz acerca da falta de recursos humanos na Escola EB1 de São Bartolomeu, pode conferir AQUI.

Noite Branca na Baixa de Coimbra

O pensamento abaixo foi escrito em 1931.Socialismo?

Um professor de economia da universidade Texas Tech disse que raramente chumbava um aluno, mas tinha, uma vez, chumbado uma turma inteira.
Esta turma em particular tinha insistido que o socialismo realmente funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e "justo".
O professor então disse, "Ok, vamos fazer uma experiência socialista nesta classe.
Ao invés de dinheiro, usaremos as vossas notas dos exames."
Todas as notas seriam concedidas com base na média da turma e, portanto seriam "justas".
Isto quis dizer que todos receberiam as mesmas notas, o que significou que ninguém chumbaria.
Isso também quis dizer, claro, que ninguém receberia 20 valores...
Logo que a média dos primeiros exames foi calculada, todos receberam 12 valores.
Quem estudou com dedicação ficou indignado, pois achou que merecia mais, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado!
Quando o segundo teste foi aplicado, os preguiçosos estudaram ainda menos - eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma.
Aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que também eles se deviam aproveitar da media das notas.
Portanto, agindo contra os seus principios, eles copiaram os hábitos dos preguiçosos.
O resultado, a segunda média dos testes foi 10.
Ninguém gostou.
Depois do terceiro teste, a média geral foi um 5.
As notas nunca mais voltaram a patamares mais altos, mas as desavenças entre os alunos, procura de culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela turma.
A busca por 'justiça' dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma.
No fim de contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar os outros.
Portanto, todos os alunos chumbaram...
Para sua total surpresa.
O professor explicou que a experiência socialista tinha falhado porque ela era baseada no menor esforço possível da parte de seus participantes.
Preguiça e mágoas foi o seu resultado.
Sempre haveria fracasso na situação a partir da qual a experiência tinha começado.
"Quando a recompensa é grande", disse, o professor, "o esforço pelo sucesso é grande, pelo menos para alguns de nós.
Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros sem o seu consentimento para dar a outros que não lutaram por elas, então o fracasso é inevitável."
O pensamento abaixo foi escrito em 1931.
"É impossível levar o pobre à prosperidade através de leis que punem os ricos pela sua prosperidade.
Por cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa tem de trabalhar recebendo menos.
O governo só pode dar a alguém aquilo que tira de outro alguém.
Quando metade da população descobre de que não precisa de trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.
É impossível multiplicar riqueza dividindo-a."
Adrian Rogers, 1931

Maravilhoso, justo e honesto Portugal de José Sócrates

1º dia foi de apresentações e conhecer o local de trabalho.
O 4º dia foi utilizado nas despedidas.
Os 2º e 3º dias no exercício de funções: sendo de evidenciar a forma extremamente leal, competente e dedicada como desempenhou a função, de excelentes qualidades pessoais e profissionais.
Assim, sim, até dá gosto...

Preliminares com requinte aristocrático. Mozart foi bem homenageado.

video
Sem bolinha vermelha.