sábado, 4 de setembro de 2010

Coimbra Unida Contra a Pobreza

Lokua Kanza - Mutoto

‎9ª Convenção Internacional Fitness

II Torneio Internacional de Águas Abertas do Mondego

Mensagem dos Xutos & Pontapés

Amigos atentem bem a esta mensagem dos Xutos: Foi-nos roubada esta noite a nossa carrinha com todo o material de backline (guitarras, bateria, amplificadores, etc.).A carrinha é uma Mercedes Sprinter de cor branca e com a matrícula 82-13-XH. Se alguém a viu agradecíamos que entrassem em contacto com Roberto Ferreira: 919 192 405.Desde já obrigado pelo vosso apoio. Xutos&Pontap...és." Tá tudo a ajudar

Ordem dos Templários

(Foto da Web)


"Mais de 50 cidadãos de vários países foram hoje investidos como novos membros da Ordem dos Templários, numa cerimónia solene que decorreu na catedral da Sé Nova, em Coimbra.

A investidura internacional, a que registou o maior ingresso de membros no conjunto das três realizadas este ano em Portugal, consistiu numa cerimónia solene e pública em que o grão-mestre universal nomeou os novos cavaleiros e damas, perante uma assembleia constituída pelos líderes e membros da Ordem dos Templários, bem como por diversas entidades eclesiásticas, civis e militares.
Após a entrada do cortejo dos templários, adejando os seus mantos brancos, no templo católico, seguiu-se uma cerimónia religiosa e depois a investidura internacional, em que os novos membros assumem o compromisso de cumprir os estatutos da Ordem do Templo.
Os postulantes ajoelhavam-se perante o grão-mestre, o português Fernando Pinto Fontes, que, segundo o ritual templário, lhes tocava levemente nos ombros e cabeça com a espada, dizendo, ao invocar a Santíssima Trindade, “Eu te faço Cavaleiro/Dama Templária hoje e para sempre”.
Após o toque com a espada, que tem o “significado simbólico de pureza, justiça e comunhão física e espiritual num mesmo ideal”, era-lhes colocado o manto branco e a cruz peitoral da Ordem dos Templários e dada a “palmada ritual”, que representa a &ldqu o;última injúria que o cavaleiro/dama recebe, sem dela tomar vingança”.
Fundada em 1118, a Ordem dos Templários, que tem mais de 20 mil membros distribuídos por cerca de 50 países, reúne-se, em convento internacional, desde quinta feira em Coimbra.
Nesta reunião magna internacional participam cerca de 250 templários de 30 nações, estando em discussão a relação da organização com o Vaticano e a localização da sede e de um museu para acolher o espólio da instituição, de acordo com a agenda definida pelo grão-mestre.
O evento é organizado pela Comendadoria de Coimbra Rainha Santa Isabel, liderada por Claudino Marques.
De acordo com este responsável, o mais jovem membro hoje investido em Coimbra é Ana Ataíde, de 22 anos, da Guarda.
“Era muito importante ingressar na Ordem, porque os princípios da minha profissão [assistente social] são comuns: a justiça, a dignidade, o fazer o bem”, explicou a nova dama templária à agência Lusa no final da cerimónia.
A jovem adiantou que quer dar continuidade ao trabalho de seu pai, José Maria Ataíde, da Comendadoria da Guarda.

“Como bons cidadãos, mesmo antes de fazermos o juramento o facto de fazermos o bem já é cumprido, agora é uma maior responsabilidade”, considerou ainda.
*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***"
Autor
Lusa

Margem direita e esquerda do Mondego

Video:
Texto:

Abrace o Buçaco dia 5 de Setembro

Com entrada livre ...

A verdade de Carlos Cruz

Clicar no link abaixo:

Três estilos diferentes, mas todos em defesa de Coimbra, até na dança.

O baile que acabou em karaoke

A nova geração de Conimbricenses

São filhos de comerciantes chineses que já nasceram em Portugal. O mais curioso é que andam aprender a lingua chinesa, pois só sabem portugues.

O Presidente da Junta de Santa Clara tambem bailou em São Bartolomeu

Aí está o baile com o Grupo Mar & Samba

O Olho de Lince do Questões Nacionais, tambem deu o seu pé de dança, aliás foi dos que dançou a noite inteira a bom ritmo, os amadores dos blogues são assim mesmo. 

Antes do bailarico...

...é preciso muito trabalho para que tudo esteja pronto a horas. Sempre os mesmos! Onde andam os outros? O Presidente tem o cuidado de pedir a colaboração de todos os elementos da Assembleia de Freguesia, mas é caso para dizer orelhas moucas ou andam a dormir nas reuniões da Assembleia.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

A Belíssima na Baixa

Uma nova loja na Baixa da Cidade, espero que tenham muito sucesso. Hoje na minha hora de almoço passei por lá, para desejar pessoalmente muito sucesso e que me encontro sempre disponível para algo que seja preciso na Junta de Freguesia e aqui no meu blogue.

Explosão numa botija de gás na Baixa de Coimbra

Na manhã de hoje dia 3 de Setembro, pelas 09.30, deu-se uma explosão numa botija de gás, quando uma idosa ia acender um fogão, numa área que pertence à Cozinha Económica, mais propriamente no "Recolhimento do Paço do Conde",  situado na Rua Adelino Veiga, na Baixa de Coimbra. Da explosão resultou danos no interior do edifício, bem como algumas queimaduras a duas pessoas.

MANIFESTAÇÃO DE 29 DE SETEMBRO

A LUTA CONTINUA!

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Cessar com a destruição do Mundo!

(Foto da Web)
Os enigmas que enfrentamos não são uma fatalidade mas produto de nosso próprio desequilíbrio psicológico. O desenvolvimento tecnológico e das ciências da chamada “civilização” actual não nos trouxe mais sapiência, pois hoje somos uma ameaça muito maior à vida no planeta do que antes, não porque o ser humano do passado era mais justo que o de hoje, mas porque ele não dispunha de tanto poder para destruir como actualmente. O depósito de bombas e de armas de que dispomos poderá explodir várias vezes o nosso planeta. Os nossos filhos aprendem desde cedo a usar armas para defender o egoísmo, satisfazer a inveja e desejo de destruição.
Além disso usualmente os meios de comunicação nem sempre ajudam no desenvolvimento da ética, da fraternidade, da cooperação, muitos até auxiliam a fomentar a psicopatologia, a espionagem, a desinformação e o controle de poderes dementes sobre o povo.
É fácil verificar que todo o desenvolvimento material do chamado “primeiro mundo” não fez com que seus cidadãos tivessem uma melhor qualidade de vida, ou seja, mais saúde, mais felicidade, mais segurança, mais paz interior e com seus semelhantes. Ninguém pode estar tranquilo num Mundo cheio de injustiças e de miséria mesmo que isso ocorra no outro hemisfério, pois o terror já não reconhece fronteiras.

Coimbra

"Cidade de ruas estreitas, pátios, escadinhas e arcos medievais, Coimbra foi berço de nascimento de seis reis de Portugal, da Primeira Dinastia, assim como da primeira Universidade do País e uma das mais antigas da Europa.

Os Romanos chamaram à cidade, que se erguia pela colina sobre o Rio Mondego, Aeminium. Mais tarde, com o aumento da sua importância passou a ser sede de Diocese, substituindo a cidade romana de Conímbriga, donde derivou o seu novo nome. Em 711 os mouros chegaram à Península Ibérica e a cidade passa a chamar-se Kulūmriyya, tornando-se num importante entreposto comercial entre o norte cristão e o sul árabe, com uma forte comunidade moçárabe. Em 871 torna-se Condado de Coimbra mas apenas em 1064 a cidade é definitivamente reconquistada por Fernando Magno de Leão.
Coimbra renasce e torna-se a cidade mais importante abaixo do rio Douro, capital de um vasto condado governado pelo moçárabe Sesnando. Com o Condado Portucalense, o conde D. Henrique e a rainha D. Teresa fazem dela a sua residência, e viria a ser na segurança das suas muralhas que iria nascer o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, que faz dela a capital do condado, substituindo Guimarães (é aliás esta mudança da capital para os campos do Mondego que se virá a revelar vital para viabilizar a independência do novo país, a todos os níveis: económico, político e social). Qualidade que Coimbra conservará até 1255, quando a capital passa a ser Lisboa.
No século XII, Coimbra apresentava já uma estrutura urbana, dividida entre a cidade alta, designada por Alta ou Almedina, onde viviam os aristocratas, os clérigos e, mais tarde, os estudantes, e a Baixa, do comércio, do artesanato e dos bairros ribeirinhos.
Desde meados do século XVI que a história da cidade passa a girar em torno à história da Universidade de Coimbra, sendo apenas já no século XIX que a cidade se começa a expandir para além do seu casco muralhado, que chega mesmo a desaparecer com a reformas levadas a cabo pelo Marquês de Pombal.
A primeira metade do século XIX traz tempos difíceis para Coimbra, com a ocupação da cidade pelas tropas de Junot e Massena, durante a invasão francesa e, posteriormente, a extinção das ordens religiosas. No entanto, na segunda metade de oitocentos, a cidade viria a recuperar o esplendor perdido – em 1856 surge o primeiro telégrafo eléctrico na cidade e a iluminação a gás, em 1864 é inaugurado o caminho-de-ferro e 11 anos depois nasce a ponte férrea sobre as águas do rio Mondego.
Com a Universidade como referência inultrapassável, desta surgem movimentos estudantis, de cariz quer político, quer cultural, quer social. Muitos desses movimentos e entidades não resistiram ao passar dos anos, mas outros ainda hoje resistem com vigor ao passar dos anos. Da Univesidade surgiram e resistem ainda hoje em plena actividade primeiro o Orfeon Académico de Coimbra, em 1880, o mais antigo coro do país, a própria Associação Académica de Coimbra, em 1887, e a Tuna Académica da Universidade de Coimbra, em 1888. Com o passar dos anos, inúmeros outros organismos foram surgindo. Com presença em três séculos e um peso social e cultural imenso, o Orfeon Académico de Coimbra representou o país um pouco por todo o mundo, em todos os continentes, levando a música coral portuguesa e o Fado de Coimbra a todo o mundo."

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

O Anúncio Português Censurado- Diz BASTA!

Igreja da Graça em Coimbra tratada de forma selvagem


Fachada principal da Igreja da Graça de Coimbra.A Igreja da Graça, também Colégio da Graça, localiza-se na rua da Sofia, no centro de Coimbra, Portugal.
O Colégio da Graça pertenceu à Ordem dos Eremitas Calçados de Santo Agostinho e foi fundado por D. João III em 1543, incorporando-se à Universidade de Coimbra em 1549. O desenho do complexo foi realizado por Diogo de Castilho, que estabeleceu no Colégio da Graça o modelo arquitectónico renascentista da igreja e claustro que seria empregado pelo mesmo arquitecto em outros colégios da cidade.
A fachada da igreja é muito simples, de recorte clássico. O portal rectangular com colunas toscanas e entablamento possui um nicho com imagem da Virgem com o Menino. Na parte superior há um frontão triangular com o escudo régio.
A planta da igreja é muito inovadora para a época. A igreja é de nave única coberta com uma abóbada de caixotões de pedra, com capelas conectadas por corredores nas laterais. A capela-mor possui um monumental retábulo de talha da primeira metade do século XVII, contendo seis telas com pinturas sobre a vida da Virgem da autoria de Baltazar Gomes Figueira, pai da pintora Josefa de Óbidos. Junto à entrada encontra-se o coro-alto com cadeiral entalhado do século XVII.
O claustro do colégio tem dois pisos e foi iniciado em 1548, com desenho de Diogo de Castilho. O primeiro piso possui arcos geminados e está coberto por abóbada de berço. O segundo piso foi edificado somente no século XVII.
O colégio foi desactivado no século XIX e ocupado pelo Exército. Está classificado como Monumento Nacional desde 1997.
Conforme se pode observar na fotografia em cima a Igreja da Graça está a ser vitima de um crime publico contra o património.

Hino dos Mineiros

TreeHotel inova no Jardim Botanico de Coimbra

Eu tenho curiosidade em saber o que vai ser danificado primeiro, o hotel ou o Jardim..... Poderiam usar o Choupal, ficava mais bonito. Em fim....










O meu "Bairro"

Nasci em Coimbra, na Baixinha da cidade como lhe gosto de chamar. Ainda é a zona do comércio tradicional de Coimbra, onde casas e estabelecimentos comerciais compartilham o mesmo espaço e em alguns sítios com carros, crianças, ciclistas e muitos outros tipos que cruzam a vida das cidades.
Uma das coisas mais gostosas deste pedaço da Cidade é o resgate da boa e velha vizinhança. Aqui, as pessoas conhecem os vizinhos e os comerciantes, cumprimentam, param para conversar, pedem para espreitar a casa. Crianças jogam bola na rua (agora em menos numero). No comércio, somos conhecidos pelos nossos hábitos, mesmo que não se recordem do nosso nome.
Todos os sábados, faço compras de frutas e legumes na mercearia lá da rua. Deparo sempre com as mesmas pessoas, trocamos saudação, como em qualquer aldeia das redondezas.
Comecei também a valorizar o comércio do “bairro”. Guarneço sempre nos mesmos sítios, onde já sou conhecido e tratado com carinho.
Morar na Baixinha é bom. Especialmente se aprendemos a construir relacionamentos de boa vizinhança. O meu vizinho do cimo da rua é uma espécie de segurança da rua, sempre na conversa com as pessoas que por ali passam, ele sabe sempre as novidades todas.
Sinto-me seguro por saber que, se eu precisar de ajuda, basta dar um grito. Na casa ao lado mora uma senhora viúva, que tem uns melros que cantam pelo amanhecer. Nas casas mais próximas moram trabalhadoras, amigas, que oferecem no mínimo um sorriso.
Como deve ser aborrecido morar num prédio e mal conhecer os vizinhos do lado. Mal cumprimentar as pessoas quando nos cruzamos com elas ou mesmo limitarmo-nos com o frio atendimento de um funcionário de uma caixa do hiper-supermercado.
O relacionamento é tudo. Por meio da convivência com pessoas nós desenvolvemos a linguagem, aprendemos a pensar, amamos, odiamos, “lutamos” e nos conciliamos. Relacionarmo-nos é uma qualidade especial, que muitos de nós abrimos mão de cultivar, em nome da segurança e paciência.
Falo aqui das coisas boas do meu “bairro”, mas tenho certeza que por essas imensas Urbes temos muitas histórias parecidas com a minha.
Quem me dera, que ainda hoje fosse assim, os hábitos de bairrismo e boa vizinhança vão desaparecendo de forma acentuada. Vivemos numa selva de betão, vivemos cada vez mais egoístas e isolados.
“Bairro” – Rua das Azeiteiras e seus limítrofes.


Metro com autorização para voltar a demolir na Baixa

"Álvaro Maia Seco adianta que, “provavelmente”, Novembro marcará o reinício das demolições, concretamente de um edifício de “discutível qualidade arquitectónica” que parou o processo
As demolições na Baixa de Coimbra, relacionadas com o projecto do Sistema de Mobilidade do Mondego, estão em condições de ser reiniciadas. A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) deu parecer favorável ao Relatório de Conformidade Ambiental do Projecto de Execução (RECAPE) apresentado pela Metro Mondego (MM). «É um marco importante neste processo, que permite olhar para a frente», assumiu Álvaro Maia Seco, acrescentando que «o RECAPE foi aprovado com condicionantes».
Após lembrar «um processo muito longo, que começou logo que entrei em 2007», o presidente do Conselho de Administração da MM avançou que, «em Janeiro de 2008, a APA informou que não era possível iniciar o processo de demolições na Baixa sem existir o projecto de execução do troço correspondente a essa envolvente [ligação entre a Avenida Aeminium, na margem direita do Rio Mondego, e a Rua Olímpio Nicolau Fernandes, junto aos Paços do Concelho]», razão pela qual, «este ano, em Março, submetemos o projecto de execução e o RECAPE para apreciação».
Ontem, em conferência de imprensa, marcada para falar do parecer favorável dado pela APA ao RECAPE, Álvaro Maia Seco insurgiu-se contra a demora na obtenção de autorização para demolir um edifício localizado na Avenida Fernão de Magalhães, onde outrora funcionou uma oficina, à beira da Loja do Cidadão de Coimbra. «Ando, há vários anos, a tentar interiorizar que aquele edifício é suficientemente importante do ponto de vista patrimonial para se justificar o dinheiro, o tempo e o esforço que já custou à Metro e, indirectamente, aos contribuintes portugueses», lamentou, antes de sublinhar que «a Metro é proprietária do edifício, não foi lá encontrado nada e não podia demolir enquanto não estivesse pronto o projecto».
«Estou, há mais de três anos, impedido de demolir aquele edifício, de discutível qualidade arquitectónica», situado no local previsto para a passagem da Linha do Hospital, reforçou o presidente da MM, lembrando que «a Metro está, neste momento, a gastar dinheiro para manter de pé alguns daqueles edifícios para depois os demolir», antes de deixar o desabafo: «Estou há três anos na Metro e ainda não consegui demolir uma pedra e não o quero fazer enquanto não tiver absoluta autorização para o fazer», prosseguiu Maia Seco, sublinhando que, «às vezes, o nosso Estado trata pior os projectos que são de interesse público do que trata o projecto de um privado».
Mais de um milhão de euros em estudos
O presidente do Conselho de Administração da MM disse ter «medo» que, «na Baixinha, com tanta protecção do património, qualquer dia aquilo caia tudo». Sem conseguir precisar com exactidão as verbas já gastas, Álvaro Maia Seco, já depois de revelar que, desde que é administrador, «a dívida da MM não aumentou», assumiu que, «só nesta zona, em estudos que tenham, directa ou indirectamente, a ver com a preservação do património e do ambiente já gastámos, seguramente, mais de um milhão de euros».
Agora, «se tudo correr bem e não existir nenhuma surpresa» com a qual a MM «não está à espera que aconteça», as demolições na Baixa vão, «provavelmente, ser reiniciadas em Novembro, por este edifício “emblemático” da cidade». «Na zona mais complicada, só em 2011, com a demolição das traseiras do Restaurante A Democrática e logo a seguir o edifício d’A Democrática e, existindo financiamento para isso, vamos reconstruir, logo de seguida, o edifício da farmácia. A 15 de Janeiro de 2012, vamos demolir os edifícios da frente, que dão para a Rua da Sofia», avançou Maia Seco, embora, sublinhou, «se aparecer um achado arqueológico relevante durante a fase de demolições o processo pode parar “sine dia”, porque é assim que a legislação funciona». "
Noticia do Diário de Coimbra
Eu espero muito sinceramente que as demolições avancem, a Baixa está num estado lastimável e a ser ocupada por grupos de toxicodependentes.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Respeito pelos Utentes dos SMTUC

Já no inicio de Agosto, aqui alertei que o Posto de venda dos SMTUC, na Praça da Republica se encontrava encerrado durante um mês.Numa altura do ano, onde a maioria dos utentes, opta por utilizar bilhetes pré-comprados em vez do passe mensal, em virtude de só trabalharem meio mês e de ser uma época de turistas que utilizam os pré-comprados, para além do Posto de venda da Praça estar num ponto central para os turistas, não tem a menor lógica o seu encerramento. Uma falha a rever para o próximo Verão.


Ultimo dia de Agosto com muita chuva

Uma nova Loja na Baixa de Coimbra

No proximo dia 3 de Setembro, vai abrir a "Belissima".
Desejo boa sorte nesta nova aventura pela Baixa da Cidade.

Sou o que sou …Gosto de ser assim

Tudo principiou quando nasci em 1970. Foi a partir do meu nascimento, que aprendi o que devo ser, o que sou e não o que os outros querem que eu seja aqui em Africa. Perdão, Portugal.
Tem sido de facto uma tarefa complicada, tão forte é a pressão dos que nos querem acéfalos, fantoches e como se isso não bastasse, também invertebrados.
É claro que através das ruas da Baixa de Coimbra, aprendi muitas coisas.
Aprendi, que importantes são todos aqueles que nos estendem a mão quando tropeçarmos numa pedra. Hoje descortinei que não são alguns... são menos ainda.
Mas também aprendi, que os mais importantes são todos aqueles que nos arremessam as pedras antes de passarmos e que dificilmente saberemos quem são.
Na Escola, todos me ajudaram a compreender que o possível se completa sem esforço.
Infelizmente muitos de nós continuamos a preferir ser inutilizados pelo elogio do que libertados pela crítica.
Também aprendi que não basta ter a faca e o queijo na mão... é preciso ainda tê-los no sítio.
Gosto de fazer critica construtiva, gosto que me critiquem construtivamente, detesto cobardia e tenho-os no sítio.

"o sonho comanda a vida..."

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Cesaria Evora - Lua Nha Testemunha

Jantar da Cozinha Económica

Baile à Antiga na Praça do Comercio

Mais um evento da Freguesia São Bartolomeu, que se realiza sexta-feira dia 3 de Setembro pelas 22h00.

No rescaldo da Feira das Cebolas

Foram embora as cebolas, mas ficaram as pedras!

VIRAM ESTA NOTÍCIA? O "SISTEMA" POLITICO, NEM DISSE UM "PIU".


video

VIRAM ESTA NOTÍCIA?
NOVO CARRO ELÉCTRICO PORTUGUÊS
Reportagem sobre o VEP da Escola Superior de Tecnologia de Viseu
Temos aqui a solução!!!
Com este novo modelo de motor Eléctrico, podemos, com 1 Euro, andar 100 Kms.
INACREDITÁVEL? Não! Pura verdade.
Mas vejam este Videoclip!
(Passe esta mensagem a todos os seus Amigos e conhecidos. Ele tem que chegar a todos os Portugueses)
O "SISTEMA" POLITICO, NEM DISSE UM "PIU".
Pois... o que não seria se alguém começasse a alterar veículos em fim de vida?
Podia fazer mossa nos lucros milionários da Galp ou nos impostos cobrados em combustíveis e em carros novos!

Meu olho azul - André Abujamra e Universo em Verso Livre